Sem carne vermelha, Educação do DF tem irregularidades em contratos de alimentação

Pagamentos indevidos referem-se ao vale-transporte de cozinheiros. Há ainda indícios de gasto a mais em comparação com notas fiscais

 

 

Sem carne vermelha no cardápio há dois anos, a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF) enfrenta diversos problemas nos contratos de preparo de alimentos e serviço de vigilância nas escolas públicas. O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) encontrou irregularidades em acordos fechados entre o governo e as empresas em 2016 e 2017. Os problemas englobam pagamentos indevidos a cozinheiros, inconsistência nas planilhas de custos e pagamentos superiores aos acordados. Os prejuízos causados podem chegar a R$ 3,7 milhões.

As inconsistências foram apontadas pelo corpo técnico da Corte de Contas. O relator do caso, conselheiro Manoel de Andrade, submeteu a documentação ao plenário na primeira quinzena de junho. Por unanimidade, o TCDF concluiu que houve dano ao erário de R$ 1.563.529,26, decorrente da aplicação incorreta do desconto de 6% da remuneração dos cozinheiros sobre o gasto de vale-transporte.

Na sessão de 11 de junho, foi pedida a restituição do montante ao erário. O problema ocorreu porque o contrato foi executado no exercício de 2017 com os valores vigentes na Convenção Coletiva de Trabalho de 2016. “Após análise processual, constatou-se a replicação do cálculo incorreto nas planilhas de custos utilizadas para essa repactuação. Assim, foram recalculados os valores corretos considerando a devida aplicação do desconto sobre o vale-transporte”, diz o relatório.

Inconsistência

Além disso, a secretaria terá de explicar uma diferença no desembolso total a uma das empresas contratadas. De acordo com o calculado pelo TCDF, há indícios de pagamentos indevidos em valor superior ao montante de R$ 2.235.716,47. Somando-se a irregularidade no vale-transporte com a diferença nas planilhas de custos, o possível prejuízo chegaria a R$ 3,7 milhões.

Assim, o TCDF deu prazo de 90 dias para a Secretaria de Educação restituir ao erário o valor apontado e revisar os desembolsos efetivados, de acordo com o calculado por nota fiscal apresentada.

A secretaria informou que “está providenciando a repactuação dos contratos com todas as empresas para evitar que as inconsistências apontadas pelo Tribunal de Contas do DF venham a se repetir, inclusive no que se refere ao desconto do vale-transporte”.

Frisou ainda que, “sobre os casos específicos de gestões passadas, a SEEDF irá verificar e efetuar toda a regularização, exatamente de acordo com as orientações do TCDF”. A pasta também ressaltou que, desde o início da atual gestão, tem revisado e aprimorado todos os procedimentos internos, no sentido de dar maior celeridade e transparência às contratações de serviços.

Sem carne

O valor pago irregularmente poderia fazer parte de uma planejamento para melhoria das refeições escolares. A alimentação nas escolas públicas do Distrito Federal melhorou, mas ainda não está no ponto. O governo retirou do cardápio a polêmica pipoca e reduziu a oferta de biscoitos, passando a oferecer mais frutas e verduras. No entanto, não conseguiu trazer de volta a carne vermelha bovina natural, que está fora dos pratos dos estudantes desde 2017. Além disso, a falta de estrutura nas cozinhas e o baixo número de nutricionistas afetam a qualidade da merenda.

Para 2019, o Governo do Distrito Federal planeja investir R$ 71 milhões nas refeições escolares. De acordo com o presidente do Conselho Regional de Nutrição do DF (CRN 1), Aldemir Soares Mangabeira Júnior, o Executivo mostrou sensibilidade para a necessidade de melhoria na qualidade da merenda. Contudo, a conquista do cardápio ideal é um projeto de médio e longo prazo. O TCDF já exigiu da pasta um plano de ação acerca da alimentação nas escolas.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui