Moro discordou de investigações contra FHC, diz site

De acordo com reportagem do The Intercept, o atual ministro da Justiça via o ex-presidente como alguém “cujo apoio” era “importante

 

 

O trecho de uma conversa entre Sérgio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava-Jato no Paraná, publicada pelo site The Intercept, revela que o ministro da Justiça discordou de investigações contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, na época em que era titular da 13ª Vara Federal de Curitiba.

O diálogo, de acordo com a reportagem, ocorreu em 13 de abril de 2017, mesmo dia em que o a imprensa relatou suspeitas de corrupção contra o tucano. No texto, escrito por meio do aplicativo Telegram, Moro afirma que as denúncias parecem “fracas” e diz que era necessário “melindrar alguém cujo apoio é importante”.
Dallagnol afirma que provavelmente o Ministério Público Federal em Brasília enviou as acusações para o Ministério Público em São Paulo, sem verificar se o suposto ato criminoso não estaria prescrito. Ainda na mensagem, o procurador afirma que o ato pode ter sido realizado para passar a sensação de “imparcialidade”.
Sérgio Moro deve ir ao Senado às 9h desta quarta-feira (19), para prestar esclarecimentos na Comissão de Constituição e Justiça da Casa. Ele vai ao local na condição de convidado.
Procurado pela reportagem, o Ministério da Justiça informou que Sérgio Moro não reconhece a autenticidade das mensagens. Ele também negou interferência no caso envolvendo o ex-presidente.
Veja a íntegra da nota do Ministério:
Sobre as supostas mensagens divulgadas, esclarecemos:
 
– O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido editadas e manipuladas, e que teriam sido transmitidas há dois ou três anos.
 
– Nunca houve interferência no suposto caso envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi remetido diretamente pelo Supremo Tribunal Federa a outro Juízo, tendo este reconhecido a prescrição.
 
– A atuação do Ministro como juiz federal sempre se pautou pela aplicação correta da lei a casos de corrupção e lavagem de dinheiro.
 
– As conclusões da matéria veiculada pelo site Intercept sequer são autorizadas pelo próprio texto das supostas mensagens, sendo mero sensacionalismo.”
anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui