Cartórios aproveitam falta de fiscalização para cobrar taxas indevidas

Aproveitando-se da falta de fiscalização, os cartórios vêm exigindo dos clientes o pagamento de taxas indevidas para a prestação dos serviços eletrônicos. O Conselho Nacional de Justiça editou dois provimentos (nº 47 e 48) que estabelecem diretrizes gerais para que o registro eletrônico de imóveis, de títulos e de documentos sejam realizados pelas corregedorias regionais.

 

Mas há uma interpretação desarmônica das regras. “O que ocorre, na prática, é a proibição do usuário receber documentos eletrônicos diretamente pelo site, e-mail, ou qualquer outra plataforma disponibilizada pelo cartório, devendo fazê-lo obrigatoriamente pelo site da Central de Serviços Eletrônicos, operacionalizada, no âmbito do DF, pela Associação dos Notários e Registradores do Distrito Federal/DF”, afirma Ana Carolina Osório, do escritório Osório Batista Advogados.

O consumidor é cobrado por taxas ilegais, segundo a especialista. No Distrito Federal, o custo para a obtenção de uma certidão de ônus, antes de R$ 25,65, foi aumentando em 30%, diante do acréscimo da tarifa de R$7,50.

Já no Estado do Rio de Janeiro, há recolhimento de R$ 8,30 a título de taxas de conveniência para a emissão de certidão de ônus. Em Pernambuco, há a exigência de pagamento de R$ 2,88 pelo serviço de visualização de matrícula on-line, cujo custo é de R$ 12,14.

Segundo a Ana Carolina, os cartórios acabam se eximindo da fiscalização das corregedorias locais. “A ilegalidade da cobrança dessas taxas salta aos olhos, pois a remuneração pelos serviços notariais e de registro é classificada como taxa, e, como tal, dependem de lei para serem instituídas. A Lei Federal 10.169/200 veda em seu artigo 3º inciso III: cobrar das partes interessadas quaisquer outras quantias não expressamente previstas nas tabelas de emolumento”, explica.

Para a especialista, fica claro que os consumidores, se desejarem receber documentos eletrônicos por meio de centrais de cartórios, serão obrigados a pagar taxa de conveniência abusiva e ilegal, fixada de maneira unilateral. “Tudo isso ao bel prazer das entidades de classe, em clara afronta às disposições legais”, afirma Ana Carolina.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui