”Não sou ditador, sou democrata”, diz Bolsonaro sobre decreto das armas

O clima no Congresso é de derrota para o governo na matéria e, apesar de defender a manutenção do decreto, disse não se opor à soberania do Parlamento

 

 

O presidente Jair Bolsonaro minimizou a votação do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 233/2019 no Plenário do Senado nesta terça-feira (18/6). O texto susta o decreto 9.785/2019, que flexibiliza o porte e comercialização de armas de fogo e munições. O clima no Congresso é de derrota para o governo na matéria e, apesar de defender a manutenção do decreto, disse não se opor à soberania do Parlamento. “Não posso fazer nada. Não sou ditador, sou democrata”, argumentou.
A articulação da defesa do decreto tem sido feita pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), e pelo próprio Bolsonaro. “Tenho conversado com senadores”, afirmou. O presidente manifestou que o decreto tem por intuito regulamentar o comércio de armas e munições para colecionadores, atiradores e caçadores (CACs).
O discurso de Bolsonaro, no entanto, tem uma defesa enfática de possibilitar a legítima defesa. “Nós sabemos que, no Brasil, hoje em dia, quem está à margem da lei, está armado. E quem está do lado para cá, da legítima defesa (está desarmado), o que foi decidido em 2005, mas estão fazendo o que atendendo às vontades do povo expressas nas urnas em 2005 por ocasião do referendo”, sustentou.
anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui