Cinco investimentos com maior retorno e segurança frente à dinâmica de tributação brasileira em tempos de declaração de IR

Entre as boas oportunidades de investimentos que oferecem vantagens tributárias sobre os ganhos de forma mais direta estão as letras de crédito imobiliário ou agronegócio (LCI e LCA)

Maio de 2022 – Anualmente, os brasileiros realizam sua declaração do Imposto de Renda (prorrogada para 31 de maio em 2022), mas não importa o quão habituada uma pessoa está com investimentos, ou a falta de familiaridade com o mercado financeiro de outra, existe um sentimento comum de que os impostos pesam sobre os resultados de seus investimentos.

É aqui que entra a eficiência tributária, uma forma de buscar oportunidades de investimentos que garantam maior retorno e segurança para os investidores, considerando a dinâmica de tributação de cada setor e tipo de investimentos.

A líder regional da XP Investimentos no Centro-Oeste, Vanessa Thomé, explica que a carga tributária nacional exerce uma pesada influência nos investimentos, pois é composta de taxas, tarifas e impostos, muitas vezes em cobranças dobradas. Mas, com assessoria e gestão eficientes desses tributos, é possível encontrar soluções para um resultado positivo para o investidor.

“Quando falamos em isenção de imposto o brasileiro só se lembra da poupança, que possui rentabilidade pouco atrativa, abaixo da inflação, gerando perda do poder de compra. Porém, temos verdadeiramente boas oportunidades de investimentos que oferecem vantagens tributárias sobre os ganhos de forma mais direta estão as letras de crédito imobiliário ou agronegócio (LCI e LCA), os certificados de recebíveis imobiliários ou do agronegócio (CRI e CRA), além de alternativas menos conhecidas, como a Letra Hipotecária, pois elas oferecem a melhor margem de rentabilidade”, indica a executiva.

A seguir, a especialista compartilha cinco dicas para alavancar seus investimentos.

1 – Fundos multimercados sem come cotas

Existem excelentes opções de fundos no mercado hoje em dia, com nomes consagrados que nesse ano já vem entregando rendimentos superiores a 300% do CDI. “Alguns Fundos Multimercado que possuem grandes posições no mercado de ações podem ser tributados como Fundo de Investimentos em Ações (FIA) e eles contam com duas vantagens principais, pois são tributados no máximo em 15% sobre o lucro dos investimentos, independente do período que você mantiver seu dinheiro aplicado; e não sofrem incidência do come-cotas”, ressalta Vanessa Thomé.

 

2 – Previdência privada

A especialista destaca que com a recente permissão de mais flexibilidade e até a instituição de taxa de performance para alguns fundos aprovada no final do ano passado, muitos gestores de grande porte resolveram participar desse mercado.

“Esse movimento aumentou as oportunidades que já eram sucesso nas modalidades de fundos comuns para os fundos de Previdência Privada. Alguns investidores utilizam como planejamento de longo prazo para aposentadoria, dedução de 12% no IR (plano PGBL) e até mesmo para sucessão patrimonial”, comenta.

Se por um lado é possível escolher como beneficiário na previdência quem quiser, a lei da sucessão define que 50% do patrimônio deve ser destinado aos herdeiros necessários, como filhos, pais ou cônjuge.

A incidência da alíquota ITCMD sobre os recursos da previdência privada em alguns estados pode, de fato, reduzir o apelo dos produtos como instrumento sucessório. No entanto, os especialistas da XP em todo o país afirmam que, por não haver ainda uma decisão final sobre o tema, vale a pena o uso do instrumento.

Vanessa Thomé também aponta que, ao contrário dos fundos tradicionais, a Previdência Privada é totalmente isenta de come-cotas, o que resulta em impacto tributário negativo nos investimentos de médio prazo e melhor ainda nos de longo prazo.

Já na modalidade de VGBL com tributação regressiva, a líder regional da XP no Centro-Oeste explica que após 10 anos de aplicação, o imposto será de apenas 10% sobre os lucros e apenas fundos de Previdência Privada contam com esse benefício, uma vez que fundos tradicionais pagam no mínimo 15% de imposto de renda.

“Portanto, se seu objetivo for investir a longo prazo, vale muito a pena considerar essas opções, principalmente para fins de sucessão patrimonial”, aconselha a especialista.

3 – Fundos exclusivos

Os fundos exclusivos possuem duas grandes vantagens do ponto de vista tributário. A primeira é a da isenção do famigerado come-cotas, desde que seja constituído como um fundo fechado; e a segunda vantagem tributária é que o pagamento de impostos só ocorre no momento do resgate do fundo. Assim, seriam infinitas compras e vendas de ativos dentro desse fundo sem pagar tributos para tal. “Dessa forma, o investidor não paga um único centavo de imposto em compras e vendas de ativos”, reforçou a executiva.

4 – Fundos imobiliários

Segundo a especialista da XP, aprendemos durante boa parte da nossa vida que bom mesmo é investir em imóveis, no entanto, quando são considerados pagamentos como seguros, ITBI, cartórios e outros tributos, o investidor sente a conta pesar no bolso.

“Existe uma forma de investir em imóveis, por meio do mercado financeiro, que te poupa de toda essa dor de cabeça e ainda alivia seu bolso. Não tem ITBI, não tem cartório, não tem custos extras de depreciação e o melhor: o seu aluguel é creditado na sua conta corrente com isenção no imposto de renda”, diz Vanessa.

5 – Debêntures incentivadas

As debêntures são um tipo de investimentos em renda fixa e são títulos de dívida emitidos por empresas com capital aberto na bolsa de valores e funcionam como uma captação de recursos dessas empresas.

As incentivadas são aquelas destinadas a investimentos das empresas em áreas de infraestrutura como portos, aeroportos, rodovias, produção de energia elétrica e assim por diante.

Esses títulos possuem uma vantagem em relação às modalidades tradicionais, pois isenta imposto de renda sobre os ganhos dos investidores. “Dessa forma, as debêntures incentivadas se tornam um excelente tipo de investimento”, destaca a líder regional da XP no Centro-Oeste.

O momento certo de investir

Os investidores potenciais carregam consigo uma pergunta frequente: qual o momento certo de investir? Vanessa Thomé lembra que a Receita Federal prorrogou o prazo para a entrega das declarações do Imposto de Renda para 31 de maio de 2022.

“Para muitos, essa é a época mais odiada do ano, no entanto, alguns consideram uma oportunidade para rever planejamento pessoal, buscando melhor eficiência tributária nos seus investimentos, com melhor rentabilidade em relação aos impostos, por isso, ter uma assessoria profissional, com uma plataforma aberta com acesso aos melhores produtos do mercado é fundamental para este planejamento”, conclui a especialista.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui