A SEGUNDA CULTURAL ONLINE DO AÇOUGUE T-BONE VAI PARA SUA ÚLTIMA EDIÇÃO DIA 28 DE JUNHO.

0

 

AO TODO O PROJETO IDEALIZOU NOVE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO DA CULTURA E DOS ARTISTAS DA CIDADE

 

Um programa especialmente dedicado à celebração da cultura popular nordestina.

 

O tradicional projeto surge reinventado, promovendo lives para acolher e valorizar a produção dos artistas brasilienses dos mais diferentes segmentos.

 

*

*Música, dança, exposição e sarau poético

 

Após um ano e dois meses fechado, o Espaço Cultural T-Bone reabre suas portas de forma distinta e convida o público brasiliense a assistir à exibição on-line da Segunda Cultural, agora em formato de lives, transmitidas diretamente do próprio espaço. Sarau de música e poesia, exposições de artes visuais e apresentações teatrais se misturarão numa programação variada, que promoverá a cultura e a arte da capital federal. Toda essa festa começou no dia 8 de março, e segue até o mês de junho, com programas quinzenais, exibidos pelo canal T-BONE Cultural, no YouTube.

A novidade encerra o ciclo adormecido do famoso Açougue Cultural T-Bone, silenciado pela pandemia do COVID-19. Há mais de duas décadas, o projeto transforma a entre quadra 312/313 norte num lugar fervilhante, considerado símbolo da cultura brasiliense, consagrado pela valorização e promoção dos artistas locais, pelos shows gratuitos a céu aberto e pela presença de milhares de pessoas, de todas as idades e classes sociais.

Segunda Cultural Online foi a fórmula encontrada para prosseguir com as atividades culturais, como forma de resistência e união e, como o título revela, acontecerá às segundas-feiras, quinzenalmente, entre os meses de março e junho, totalizando 09 programas.

HISTÓRIA

O Açougue Cultural T-Bone completa 24 anos de uma trajetória empenhada em promover, reconhecer e valorizar a arte e a cultura do Distrito Federal, tendo à frente o baiano Luiz Amorim, que chegou à capital na infância. Luís foi alfabetizado aos 16 anos, leu o primeiro livro aos 18, trabalhou de vigia e engraxate, antes de ser contratado por um pequeno açougue da 312 Norte, do qual passou a ser proprietário em 1994.

Sua primeira ação cultural, a pequena biblioteca comunitária na entre quadra 712/713, nasceu a partir de uma estante dentro do açougue, com apenas dez livros. Depois dela, uma série de projetos se concretizaram, entre os quais a Biblioteca Popular (instalada em paradas de ônibus da Avenida W3 Norte), o Sede de Cultura (para crianças e adolescentes da Cidade Estrutural), o Viva o Livro, o Encontro de Escritores e a Bienal de Poesia.

O projeto Noite Cultural T-Bone é o de maior destaque, tendo trazido a Brasília alguns dos maiores nomes da música popular brasileira, como Paulinho da Viola, Milton Nascimento, Erasmo Carlos, Zé Ramalho, Alceu Valença, Elba Ramalho, Marina Lima, Zélia Duncan, Os Mutantes, Amelinha, Jorge Benjor, Sandra de Sá, dentre tantos outros. Além disso, o evento compõe o Calendário Cultural Oficial do Distrito Federal.

PROGRAMA 09

28 de junho – dedicado à celebração da cultura popular nordestina

 

Música – Carol Carneiro

Carol Carneiro é cantora, compositora e musicista. Com 20 anos de carreira, é formada em viola caipira pela Escola de Música de Brasília. Suas canções transitam entre o forró pé de serra, frevo, coco de embolada, samba e carimbó. Em 2019 lançou o DVD “Encantada na Viola”.

 

Exposição – Jô Oliveira – arte gráfica e cultura popular

Consagrado desenhista, quadrinhista e ilustrador, é Pernambucano da Ilha de Itamaracá, tendo passado boa parte da infância em Campina Grande/PB e a adolescência em Aquidauana e Ponta Porã/MS. Foi aluno da Escola Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro, e por seis anos morou em Budapeste/Hungria. Durante seis meses estudou desenho animado no Stúdió Pannónia e depois frequentou a Academia Húngara de Artes Aplicadas, onde concluiu o curso de Artes Gráficas. Seus primeiros trabalhos, livros e quadrinhos, foram impressos nos anos 70 na Itália. Publicou também livros na França e Alemanha, e seus quadrinhos tiveram edições na Espanha, Itália, Grécia, Sérvia, Dinamarca, Argentina e Brasil. Jô participou em exposições de ilustração em várias partes do mundo. Desenhista de selos postais, criou mais de 50 peças filatélicas para os Correios. Ganhou quatro vezes a medalha Olho de Boi pela criação do melhor selo brasileiro. Por duas vezes recebeu o troféu do melhor selo do mundo. Apaixonado pela cultura popular brasileira, tem procurado sempre referências no cordel, na xilogravura das capas dos folhetos, nos bonecos do Vitalino, no mamulengo e em diversas manifestações folclóricas. Para esta exposição, Jô Oliveira vai apresentar linogravuras coloridas à mão.

 

Teatro – Mamulengo Sem Fronteiras – “Pavão Misterioso”

A família Mamulengo Sem Fronteiras se uniu para brincar mamulengo em 1996. Coordenado por Walter Cedro, o grupo recebeu a herança do teatro popular de bonecos das mãos de Chico Simões (Mamulengo Presepada), em Taguatinga (DF). São mais de 20 anos de pesquisa sobre a tradição das brincadeiras populares em interação com novas formas de fazer mamulengo. Hoje, o grupo compartilha experiências e estudos em apresentações, oficinas e festivais pelo Brasil e também no exterior, em países da Europa e da América do Sul. Mamulengo Sem Fronteiras é formado por Walter Cedro (Bonequeiro Brincante) e Bião Cedro, Keijin do Acordeon, Wagner Nascimento e Beirão Neves (Músicos Brincantes). O romance do Pavão Misterioso, escrito em 1920 por José Camelo de Melo, um dos cordéis mais renomados e um dos mais vendidos no nordeste brasileiro, inspirou novelas de televisão, animações, canções e peças de teatro.

 

Sarau Poético com Sabiá Canuto e Juliana Blum

 

Juliana Patrícia Campelo Bramatti é a poeta “Analise”, professora de filosofia, pensadora e ativista. Publicou 6 cartilhas de poesias, com temas que buscam analisar e contestar, variando entre a filosofia e a arte. Atualmente apresenta o programa “Analisando”, no IgTV do seu perfil no Instagram. É piauiense e mora no Distrito Federal há 13 anos, reside na Ceilândia e leciona em Santa Maria.

Sabiá Canuto é poeta, cordelista, músico e professor da rede pública de ensino do DF. Ceilandense de ascendência nordestina, fez recentemente pelo Projeto Ciclo Pife uma longa viagem pelos sertões do Pajeú (PE), Moxotó (PE) e Cariri (CE), onde entrou em contato com diversos mestres e artistas da cultura popular, atuando em oficinas e apresentações culturais. Canuto publicou diversos cordéis de sua autoria.

 

SERVIÇO

Onde: Canal T-Bone Cultural, no Youtube

Quando: 28 de junho de 2021

Horário: 20 horas.

Assessoria de Imprensa: Karina Gama (61) 98110-2002 e Amanda Guedes (61) 98429-0007

Facebook e Instagram: @EspacoCulturalTBone

anuncio patrocinado
Anunciando...