A revolução do RH traz o ponto digital como alternativa ao home office

0

 

Empresas que desejam continuar com o sistema de trabalho remoto depois da pandemia deverão contar com ponto digital para manter a rotina de acordo com as leis trabalhistas, o foco na produtividade e a segurança dos colaboradores

 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fundação Dom Cabral (FDC), em parceria com a Grant Thornton, o home office tem sido bem avaliado pelos brasileiros. Cerca de 54% dos trabalhadores desejam manter esse tipo de atividade depois da pandemia.

 

O estudo revelou ainda que para metade das pessoas que participaram da investigação, a infraestrutura da casa é o bastante para o desempenho do trabalho. Esses dados indicam, entre outras coisas, as implicações da tecnologia no novo normal.

 

Graças ao sistema digital, é possível que uma empresa mantenha seu funcionamento normalmente, mesmo sem a presença física dos colaboradores. O desafio que surge, no entanto, está relacionado à gestão da jornada.

 

É possível manter a produtividade, garantir que o total de horas sejam trabalhadas e estar em dia com as leis trabalhistas? A resposta para todos estes questionamentos é sim, principalmente se for dada por empresas que já aderiram ao ponto digital.

 

A pandemia e o salto tecnológico no mercado de trabalho

 

As relações de trabalho sofreram uma série de modificações durante o período de isolamento social. Já são quase 12 meses de trabalho remoto, ressignificação de rotina e aprendizado constante.

 

Como forma de suprir a interação presencial, 53% das empresas que participaram da pesquisa da FDC aderiram a ferramentas digitais de comunicação interna. Isso foi um desafio para 42,6% das organizações que nunca haviam usado a prática remota.

 

E como fica a produtividade?

 

Uma pesquisa realizada pelo OTRS Group, que envolveu países como o Brasil, Alemanha, Cingapura, Estados Unidos e México, mostrou que 39% dos colaboradores conseguem manter a produtividade, seja em casa ou no escritório tradicional.

 

Por outro lado, 43% dos funcionários afirmam que são mais produtivos no modelo home office. No contexto especificamente brasileiro, 54% dos entrevistados afirmam que são capazes de manter a alta produtividade trabalhando de casa.

 

Esses dados indicam que o RH precisa criar medidas que contemplem, tanto os colaboradores que fazem parte dos 54% que desejam manter o home office quanto os demais, que afirmam ser mais produtivos indo até o escritório.

 

Ponto digital: tecnologia integrada ao RH

 

Graças à facilidade da internet, é possível criar uma estrutura de acompanhamento da jornada de trabalho com o ponto digital. Criado a partir de ferramentas inteligentes de comunicação, esse sistema oferece uma série de benefícios.

 

Basta ter um dispositivo com acesso à internet para calcular horas trabalhadas, atrasos, faltas, banco de horas, entre outras informações diretamente relacionadas aos processos de RH.

 

Isso quer dizer que as empresas não precisam se preocupar em perder a produtividade. Muito pelo contrário! O ponto digital veio para otimizar a rotina e automatizar ações que, até então, tomavam muito tempo do departamento de Recursos Humanos.

 

Afinal, estamos falando de um sistema de controle de ponto regulamentado pelas leis trabalhistas e que se destaca por fornecer informações seguras de forma prática e precisa. Com poucos cliques, o RH tem acesso aos relatórios da jornada de trabalho.

 

Desafios para o RH

 

A necessidade de adaptação a esses processos demandam novas posturas do RH. Softwares de gestão de produtividade, plataformas de videoconferência e o ponto digital passaram a fazer parte da rotina de quem trabalha no setor.

 

O fato é que a pandemia implicou na necessidade de repensar a dinâmica de gestão de pessoas. Mesmo que as empresas retomem parte ou totalidade das atividades presenciais, será preciso organizar um novo modelo de trabalho.

 

Pense nisso e coloque em prática as novas tecnologias a favor dos seus colaboradores.

anuncio patrocinado
Anunciando...