RJ: Secretaria confirma cinco casos de variantes de coronavírus

0

 Dos cinco pacientes confirmados, um está em estado mais grave e os outros quatro estão dependentes de oxigênio porém estáveis

 

Em entrevista coletiva, o secretário estadual de Saúde, Carlos Alberto Chaves e o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz junto com a equipe da Vigilância Sanitária comentaram sobre a nova variante do coronavírus nesta quarta-feira (17), que cicula no Rio de Janeiro.

Mário Sérgio Ribeiro, superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES (Secretaria de Estado de Saúde) confirmou cinco casos da nova variantes, uma mulher da linhagem do Reino Unido e outros quatro que estão sob análise, sendo um em Petrópolis, um em Belford Roxo e dois na Capital.

Entre os casos na Capital está um homem vindo de Manaus internado no hospital do Andaraí. Dos cinco pacientes confirmados, um está em estado mais grave e os outros quatro estão dependentes de oxigênio, porém estáveis.

“Ainda não há informações de como essas pessoas pegaram o vírus ainda”, disse o superintendente.

Os pacientes identificados com a mutação da doença foram identificados no hospital de Laranjeiras, na zona sul, e no hospital do Andaraí, na zona norte.

Sobre a surgimento da variantes, Mário Sérgio afirmou que elas já estavam sendo monitoradas no Brasil e que um processo natural e esperado.

“Objetivo é compreender como essas três variantes podem impactar na organização local e as pessoas confirmadas tiveram histórico de viagem”, ressaltou.

Chamado de P.1., a variante foi identificada primeiro em Manaus. De acordo com especialistas, é mais transmissível e não há confirmação de que seja mais letal.

Para conter o avanço da variante, Daniel Soranz disse que a ideia é “intensificar as medidas que já estão sendo feitas e principalmente ficar atento ao aumento das internações por síndromes respiratórias”.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) confirmou ontem (16) que a nova cepa do coronavírus foi identificada no Estado do Rio de Janeiro. A variante P.1 foi identificada primeiramente em Manaus (AM). A nova cepa foi comprovada após exames laboratoriais feitos pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Não é possível confirmar ainda se a transmissão ocorreu dentro do próprio Estado ou se o paciente contraiu em viagem.

Vacina

Com a paralisação da vacinação, Daniel Soranz disse que a decisão foi de não antecipar a segunda dose da vacina.

Em relação ao Estado, Carlos Alberto completou que também não serão antecipadas doses e que não há notificação sobre a chegada de novas doses da vacina.

“A nossas taxas de ocupação em enfermaria 30% e CTI 70%. Não podemos nem pensar em Lockdown agora. É o dia a dia”, finalizou.

Ao ser questionado sobre a falta de coordenação de informações com o Ministério da Saúde, Carlos respondeu: “acho que está”.

anuncio patrocinado
Anunciando...