Brasil ocupa a segunda posição no ranking em downloads de apps para e-commerce

O Relatório dos Setores do E-commerce, da Conversion – Agência de Search Engine Optimization (SEO), apontou recentemente que os acessos aos aplicativos chegaram a crescer em média 2,8% quando comparado aos meses anteriores. As navegações em sites e aplicativos de e-commerces somaram aproximadamente 26,1 bilhões de acessos nos últimos 12 meses.

Segundo este Relatório, o setor de Educação, Livros e Papelaria registrou um crescimento de 3,17% em acessos aos apps, o que indica o aumento do interesse por tais produtos, o qual, consequentemente leva ao aumento do volume de produção no ramo de indústrias gráficas, conforme relata o diretor comercial da gráfica online FuturaIM, Wellington Luiz.

Outro dado apontado por este Relatório é que em junho deste ano, houve uma média de 74% de acessos a e-commerces, sendo que 51,8% dessas navegações foram via mobile (navegador mobile + tablets) e 21,9% via aplicativos.

Para a plataforma de Analytics de Marketing Mobile Adjust, em 2021 a América Latina apresentou um aumento de 14% em downloads de aplicativos de e-commerce. E quando o assunto é o período em que o usuário fica logado e interagindo no app, com acessos a outras sessões, a América Latina revelou um crescimento de 32% em comparação ao ano de 2020, levando em conta que o usuário costuma ficar em média 10,56 minutos nos aplicativos de lojas virtuais, chegando a atingir 1 bilhão de horas em 2021, com um aumento de 18% na taxa anual.

A Adjust mostra, inclusive, que o Brasil foi destaque em usabilidade de apps, sendo considerado o segundo país que mais fez download de aplicativo de e-commerce em 2021, chegando a ultrapassar a China e ficando atrás apenas da Índia.

Para a Adjust, quando se refere a estatística mundial, as vendas de e-commerce via mobile no varejo atingiram o valor de US$ 3,56 trilhões em todo o mundo em 2021, cerca de 22,3% a mais do que em 2020. E a pesquisa ainda mostra que o uso de cupons tende a crescer 56,5% até 2025, para atrair novos usuários e retê-los na plataforma do app.

De acordo com a Wolfgang Digital as compras feitas pelos smartphones têm aumentado, já que agora representam 55% da receita de e-commerce e 70% do tráfego. Sendo que através dos desktops são 36% da receita e 22% do tráfego, e com os tablets são 9% da receita e 8% do tráfego.

Outra pesquisa feita no 1º trimestre de 2021 pela empresa americana, Jungle Scout, a qual entrevistou 1.000 pessoas, constatou que os principais motivos que levam o consumidor a comprar em lojas online são: frete grátis, melhores preços, conveniências, comparações de preços e variedades de produtos.

O diretor da Gráfica FuturaIM, Wellington Luiz, explica que agora também faz parte desse índice, já que desenvolveu um aplicativo para sua empresa. 

anuncio patrocinado
Anunciando...