O grande Número dos brasileiros endividados não cresceu, mas permanece muito alto

Percentual do CNC mostra que 78,8% dos brasileiros estão endividados, o mesmo do mês de maio

 

Após três meses de alta, o percentual de brasileiros endividados em junho de 2024 permanece estável, mas o número continua alto. No mês de maio, os dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) registram o maior percentual desde de novembro de 2022, com 78,8%, o mesmo percentual de junho de 2024. A Conferência Nacional do Comércio de Bens, Serviço e Turismo (CNC) aponta que, apesar do resultado otimista, o endividamento deve continuar no segundo semestre.

O presidente do Sistema CNC-Sesc-Senac, José Roberto Tadros, entende que a manutenção do percentual reflete a preocupação e cautela das famílias para não acumular dívidas. “A manutenção do índice de endividamento revela certa preocupação com a inadimplência por parte das famílias, que têm aproveitado o momento para amenizar as dívidas, em vez de fazer novos compromissos”, disse.

A pesquisa mostra que os impactos do desastre no Rio Grande do Sul influenciaram no aumento do percentual do endividamento. O estado representa 0,4 pontos percentuais do endividamento das famílias brasileiras. Sem o estado, as contas em atraso teriam aumentado em 0,1 p.p., o que mostra, segundo a CNC, que metade do aumento apresentado nos dados nacionais de inadimplência (0,2 p.p) foi causado pela demanda de crédito para as famílias gaúchas.

Mesmo representando a alta nos pontos percentuais, o economista-chefe da CNC Felipe Tavares aponta o compromisso das famílias gaúchas no pagamento das contas. “Apesar da alta de 0,4 p.p. do endividamento no Rio Grande do Sul, a inadimplência no Estado diminuiu 0,2 p.p. no mês, mostrando que, mesmo com a tragédia, as famílias continuaram com capacidade de honrar os seus compromissos. Esse efeito indica que as medidas de apoio ao Estado começaram a surtir efeito na prática, trazendo algum alívio ao orçamento das famílias gaúchas”, destaca.

O perfil do crédito das famílias brasileiras apresentou melhora no mês de junho: caiu em 0,6 p.p. as famílias que se consideram “muito endividadas” (17,2%), enquanto a faixa de “pouco endividada” aumentou 0,6 p.p. (33,7%). Os atrasos das dívidas, no entanto, apresentaram um aumento de 0,2 p.p. (28,8%) em comparação ao mês passado. Além do aumento de 0,3 p.p. de dívidas com mais de 90 dias, que representam 47,6%, o maior percentual de endividados de 2024.

Tavares avalia que os atrasos revelam dificuldade nos pagamentos das dívidas e medo de novos parcelamentos pelas famílias. “Os atrasos estão perdurando por mais tempo, o que revela certa dificuldade de honrar os compromissos, deixando as famílias mais receosas em fazer novos parcelamentos no momento”, avalia Felipe Tavares.

anúncios patrocinados
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.