Izalci Lucas tem a sua pré-candidatura ao governo do DF sob risco de ser anulada!

Uma decisão da 3ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) coloca em risco a pré-candidatura do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) ao Palácio do Buriti. Os desembargadores, por maioria, condenaram o parlamentar a quatro anos e oito meses de prisão pelo crime de peculato que teria sido praticado quando Izalci exercia o cargo de secretário de Ciência e Tecnologia do DF. A denúncia se refere ao suposto desvio de equipamentos de informática doados pelo TCU para uso em projetos sociais. Segundo a acusação, foram juntadas fotos ao processo que demonstram que computadores e equipamentos estariam instalados em sala comercial de propriedade de Izalci. Na primeira instância, o senador foi condenado a dois anos e oito meses de prisão e multa, em regime aberto, punição que seria substituída por penas alternativas. A Justiça havia considerado que, como a denúncia foi oferecida oito anos após a ocorrência dos fatos, a pena estaria prescrita. Mas na segunda instância o entendimento foi diferente, em julgamento realizado na quinta-feira. A nova decisão pode acarretar a inelegibilidade de Izalci, conforme estabelece a Lei da Ficha Limpa. Pela regra, políticos com condenação em segunda instância não podem disputar as eleições.

Trama de desafetos, de acordo com defesa
Em nota, a defesa do senador Izalci Lucas disse que recebeu com surpresa o resultado do julgamento. “O senador da República foi vítima de uma trama de seus desafetos políticos que interpuseram denúncias perante a Justiça Eleitoral, em 2010, com o objetivo de cassar o mandato de deputado federal obtido naquelas eleições. Ou seja, a questão foi inicialmente dirigida à justiça eleitoral. Existem fotos, filmagens e depoimentos nos autos que confirmam que testemunhas de acusação faltaram com a verdade para prejudicar o acusado, mas nenhuma providência correcional foi deferida”, aponta o advogado Eládio Carneiro, que representa Izalci. O senador vai recorrer no mérito e, inclusive, com o fundamento de que o caso deveria ter sido apreciado pela Justiça Eleitoral.

Aliança de eventual segundo turno
Em pré-campanha, o senador Izalci Lucas esteve ontem com o ex-governador Rodrigo Rollemberg (PSB), em almoço no restaurante Amigão, da 506 Sul. Também participou da conversa o presidente do PSB-DF, Rodrigo Dias. Do encontro, com feijoada e cerveja, surgiu um compromisso de união nas eleições, caso Izalci ou o candidato do PSB, Rafael Parente, esteja no segundo turno.

Apoio do MDB-DF a lançamento de Simone Tebet

O presidente do MDB-DF, Rafael Prudente, deixou claro para quem o partido do governador Ibaneis Rocha vai trabalhar na disputa pelo Palácio do Planalto. “O MDB do Distrito Federal está unido e apoia a pré-candidatura a senadora Simone Tebet à Presidência da República. Vamos trabalhar para colocar o nome da senadora como a grande opção na disputa eleitoral. Temos que evitar esses dois polos que estão dividindo nosso país, e a melhor opção é Simone Tebet”.

Interesse de Lula no DF é a candidatura ao Senado
Integrantes da cúpula do PT disseram, em conversas com dirigentes de outros partidos, que o principal interesse de Lula no DF é eleger alguém para o Senado e uma boa bancada de deputados federais. Lula pensa na governabilidade e quer apoio no Congresso. Por isso, eles não descartam uma coligação que favoreça a eleição para o Senado. Como na pré-candidatura ao governo, que está a cargo do deputado Leandro Grass (PV), a campanha de Lula pode oferecer a vaga ao Senado para outro partido, se não houver consenso no PT-DF.

Propaganda começa a circular nas redes
Com a possibilidade de surgir uma candidatura de José Roberto Arruda ao governo, aliados do ex-governador começaram ontem a distribuir propaganda de campanha. Estão animados.

Isolada
A senadora Leila Barros (PDT-DF) precisa decidir se vai enfrentar a disputa eleitoral em governo em chapa pura, sem alianças. O cenário que se configura é que o PDT não terá um parceiro de outro partido para vice ou para o Senado.

Eleição no MPDFT para desembargador
Ex-deputado distrital, o procurador de Justiça Chico Leite foi designado presidente da comissão eleitoral do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) que vai organizar as eleições para a lista sêxtupla com nomes para a próxima vaga do quinto constitucional no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). Nesta semana, o desembargador Humberto Ulhôa vai completar 75 anos e deixará o Judiciário pela aposentadoria compulsória. As inscrições para a disputa, abertas na última sexta-feira, terminam segunda-feira.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui