Entenda o que pode estar por trás do inchaço que mantém Joelma internada em SP

Cantora teve Covid quatro vezes, e medicamentos podem tê-la deixado com problemas de inchaço, além de gastrite e esofagite

 

A cantora Joelma virou assunto nos últimos dias após fazer shows pelo Brasil com o rosto muito inchado. Desde a última segunda-feira (6), a artista está internada no Hospital São Luiz, em São Paulo, para fazer um check-up.

Pelo último boletim médico, divulgado na tarde de ontem (9), foi detectado “um quadro de esofagite, gastrite e edema, complicações possivelmente decorrentes da infecção pelo coronavírus“. Joelma já havia acalmado os fãs em uma das apresentações da turnê Isso é Calypso.

“Um mês atrás eu peguei meu quarto Covid, e toda vez que eu pego as sequelas veem todas de novo. É muito inchaço, muita alergia, é muito tudo. É muito muito, mas eu não desisto”, explicou a cantora.

Joelma pegou Covid quatro vezes, e os efeitos colaterais dos corticoides, usados em alguns pacientes infectados, podem ser a resposta para a preocupação dos fãs diante do inchaço no rosto da cantora.

“O uso de corticoide pode causar o acúmulo de líquido e o inchaço na região do rosto. Além disso, existem também algumas doenças que levam ao excesso de produção do nosso corticoide endógeno, o chamado cortisol, quando temos tumores na glândula adrenal [por exemplo]. Nos dois casos, o indivíduo tem o mesmo quadro, que é a chamada síndrome de Cushing. Tem também um termo que usamos que vem do inglês chamado de ‘moon face’, que é a ‘face de lua cheia’, porque fica só no rosto, com a bochecha aumentada”, explica Américo Cuvello Neto, nefrologista e clínico geral do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Em entrevista ao Domingo Espetacular, da Record TV, em abril do ano passado, a cantora disse ter tido o mesmo problema. “Eu fiquei completamente deformada, fiquei maior que uma grávida de nove meses”, lamentou na época.

O edema tende a acabar de um a três meses após a interrupção do remédio, mas o médico adverte que, “se o paciente voltar a tomar, pode voltar a ficar inchado também”. No caso do tratamento contra a Covid-19, a ciência indica o medicamento nos casos moderados a graves por um período de até dez dias.

“O medicamento é por um determinado tempo. Depois de dez dias, ainda não temos evidência de que vai ajudar o paciente. Se a pessoa toma continuamente os corticoides em doses elevadas, esse inchaço vai levar mais tempo para regredir. Normalmente, isso regride depois de parar de um a três meses e no máximo seis meses”, ressalta Cuvello

De acordo com o boletim médico,”durante a internação, houve melhora significativa do quadro de edema”.

Assim como os corticoides, a Covid-19 também pode levar a problemas renais, por isso é necessário investigar se a função dos rins está bem. “A Covid pode causar problemas renais, e o inchaço ser fruto disso. Na maioria das vezes, quando melhora a infecção, a pessoa recupera a função do rim. Mas alguns pacientes ficam com uma disfunção crônica do rim, e ele pode ter uma tendência para o inchaço”, alerta o nefrologista.

Os corticoides pedem também ser os vilões dos outros problemas enfrentados por Joelma, a gastrite e esofagite.

“O uso de corticoides e anti-inflamatórios acaba diminuindo a produção da barreira mucosa, que serve de proteção para o estômago. Isso acaba fazendo com que o ácido fique em contato direto com a mucosa gástrica, causando a inflamação ou piorando os quadros da gastrite e da esofagite”, afirma Gustavo Patury, cirurgião do aparelho digestivo e cirurgião bariátrico.

Além dos medicamentos, o estresse e a ansiedade são fatores de podem agravar os problemas no sistema digestivo.

A previsão de alta de Joelma é no fim de semana, e ela garante que não vai parar com a turnê Isso é Calypso e vai manter a agenda de shows. Tanto que postou em sua conta do Instagram uma foto em que está editando o DVD do show no hospital.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui