Delegacia de Foz de Iguaçu investiga dinâmica de crime contra petista

Agente penitenciário bolsonarista invadiu festa decorada com temática petista e trocou tiros com o aniversariante, um guarda municipal de Foz do Iguaçu (PR), que morreu. O agressor também foi baleado, mas sobreviveu. Mundo político condena a violência

“Policial Penal Federal Conservador, Cristão, Bolsonaro Presidente, armas = defesa, Não ao Aborto, Não às Drogas.” Essa é a descrição que consta no perfil do Twitter de Jorge José da Rocha Guaranho, que, de acordo com a Polícia Civil de Foz do Iguaçu (PR), é o responsável pela morte do guarda municipal Marcelo Arruda em sua própria festa de aniversário, na noite de sábado. “Estou sem chão. É uma extrema estupidez eu perder o pai dos meus filhos por um extremismo ridículo”, disse a viúva, a policial civil Pâmela Suelen Silva, em entrevista à Globo News.

O guarda municipal era tesoureiro do Partido dos Trabalhadores na cidade fronteiriça, e a festa, na qual comemorava os 50 anos de vida, tinha como tema o partido e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os dois trocaram tiros com armas funcionais após Guaranho invadir a comemoração, em um assassinato que pode ter conotação política.

A Delegacia de Homicídios de Foz do Iguaçu investiga o caso para confirmar a dinâmica do crime e as motivações.

Inicialmente, a polícia informou a morte do agressor, mas a delegada à frente do caso, Iane Cardoso, disse em coletiva de imprensa, na tarde de ontem, que ele está internado em um hospital do município e que seu estado é estável. Até o fechamento desta edição, não houve atualização sobre o estado de saúde do agente.

“O delegado que estava de plantão, ontem, autuou o indivíduo em flagrante delito. Ele está custodiado pela Polícia Militar enquanto recebe auxílio médico”, informou a delegada. A Polícia investiga se os dois se conheciam. “Não há histórico de conflito anterior. A informação que a esposa do agente penal deu é que ele (o agressor) era diretor do local em que estava ocorrendo a festa. Por isso, a gente deduz que, talvez, eles se conhecessem, mas tudo é muito recente ainda e a gente tem que apurar”, disse ela. Testemunhas que estavam no local e a viúva de Marcelo Arruda negam qualquer relação entre os dois. Segundo Pâmela, antes de trocar tiros com Guaranho, o marido disse: “não sei quem é esse cara”.

O secretário de Segurança Pública de Foz do Iguaçu, Marcos Antonio Jahnke, disse que o crime pode ter motivação política. “Pelo que a gente percebeu, foi uma intolerância política”, declarou.

O assassinato

Imagens de câmera de segurança captaram o momento em que o guarda municipal Marcelo Arruda é assassinado pelo policial penal Jorge José da Rocha Guaranho. No vídeo, ao qual o Correio teve acesso, Arruda corre para dentro do salão de festas e tenta se proteger embaixo de uma das mesas, já com uma arma na mão. Jorge José chega logo depois e dispara um tiro contra o petista. Em seguida, Marcelo reage e atira diversas vezes na direção de Jorge, que cai no chão e é agredido por outras pessoas. Antes da troca de tiros, Jorge teria gritado “aqui é Bolsonaro”, segundo relatos de testemunhas registrados no Boletim de Ocorrência. Marcelo comemorava o aniversário de 50 anos, em festa temática do PT. O crime aconteceu às 23h40 de sábado e o BO foi registrado minutos depois da meia-noite.

Segundo a mulher de Marcelo, Pamela Suelen Silva, a festa estava próxima do fim e havia por volta de 15 pessoas quando o policial penal invadiu o local. “É uma extrema estupidez tudo isso que aconteceu”, disse, abalada. Ainda de acordo com ela, a mulher do agressor e um bebê, filho dele, estavam dentro de um carro e presenciaram o momento em que o homem grita palavras de apoio ao presidente Bolsonaro.

A comemoração ocorria na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu. Boletim de Ocorrência registrado na Polícia Civil do Paraná relata que o bolsonarista chegou ao local de carro e desceu armado, gritando “aqui é Bolsonaro!”, e foi embora. Cerca de 20 minutos depois ele retornou sozinho, ainda armado. Guaranho atirou duas vezes contra Marcelo Arruda, que revidou e baleou o policial penal. Ainda de acordo com o BO, ninguém na festa conhecia o bolsonarista, que não foi convidado.

Carreira política

Marcelo havia se candidatado a vice-prefeito da cidade pelo PT, em 2020, e era diretor do Sindicato de Servidores Públicos do município, além de tesoureiro do partido em Foz do Iguaçu. Ele deixa mulher e quatro filhos.

A prefeitura de Foz do Iguaçu, o Sindicato dos Servidores Municipais do município e Câmara Municipal divulgaram notas para lamentar a morte do guarda municipal.(Colaborou Thays Martins)

Presidenciáveis condenam intolerância

Pré-candidatos à Presidência e parlamentares comentaram o assassinato do guarda municipal de Foz do Iguaçu (PR). Pelo Twitter, o ex-presidente Lula atribuiu o crime à “intolerância” inflamada pelo discurso do presidente Jair Bolsonaro. “Uma pessoa, por intolerância, ameaçou e depois atirou nele, que se defendeu e evitou uma tragédia maior. Duas famílias perderam seus pais. Filhos ficaram órfãos, inclusive os do agressor. Meus sentimentos e solidariedade aos familiares, amigos e companheiros de Marcelo Arruda”, publicou Lula, antes da confirmação de que o agressor havia sobrevivido.

O ex-presidente também pediu compreensão e solidariedade com os familiares de José da Rocha Guaranho. “Eles perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável. Pelos relatos que tenho, Guaranho não ouviu os apelos de sua família para que seguisse com a sua vida. Precisamos de democracia, diálogo, tolerância e paz”, comentou.

O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes (CE), também antes de saber que apenas Arruda havia morrido, disse que o ódio político precisa “ser contido”, citando a morte de “dois pais de família” fruto de uma “guerra absurda, sem sentido e sem propósito”, em comentário semelhante ao do ex-presidente Lula. “É triste, muito triste, a tragédia humana e política que tirou a vida de dois pais de família em Foz do Iguaçu. O ódio político precisa ser contido para evitar que tenhamos uma tragédia de proporções gigantescas.”

A senadora e pré-candidata pelo MDB, Simone Tebet (MS), disse, em nota, que lamenta profundamente as mortes violentas em Foz do Iguaçu. “Me solidarizo com as famílias de ambos. Mas o fato é que esse tipo de situação escancara de forma cruel e dramática o quão inaceitável é o acirramento da polarização política que avança sobre o Brasil. Esse tipo de conflito nos ameaça enormemente como sociedade. É contra isso que luto e continuarei lutando.”

Tebet disse ainda que tem certeza de que “nós, brasileiros, temos todas as condições de encontrar um caminho de paz, harmonia, respeito, amor e dignidade humana suficientemente sólido para reconstruir o Brasil. Que o caso de Foz do Iguaçu faça soar o alerta definitivo. Não podemos admitir demonstrações de intolerância, ódio e violência política”.

O pré-candidato do Avante, deputado federal André Janones (MG), perguntou se a população vai esperar que a tragédia e a barbárie cheguem dentro de casa para combatê-la. “Essa idiotização que muitos chamam de polarização não pode prevalecer. O Brasil precisa cuidar dos seus problemas reais, não criar novos”, escreveu. “Mas, e amanhã? Amanhã nós vamos esquecer como esquecemos o Genivaldo assassinado brutalmente em uma viatura? Aplaudir e agradecer agressores durante discursos em cima de palanques, como feito ontem? Nós vamos nos chocar só com o agora? Não vamos mudar essa mentalidade?”, questionou.

Segundo Janones, o debate ideológico sem qualquer base racional levou à tragédia. “Ninguém vai conseguir explicar essa paixão que leva um ser humano a odiar o outro por convicções políticas diferentes. Hoje, nós vamos lamentar, desejar condolências às famílias”, apontou.

O deputado federal Luciano Bivar (PE), pré-candidato pelo União Brasil, postou na sua conta do Twitter que é “indmissível onde chegamos. Esta doença ‘política’ contaminou nossa gente, até aqueles que amamos lá na casa da esquina”.

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), declarou que “o assassinato de um cidadão, durante a comemoração de seu aniversário com a temática do candidato Lula é a materialização da intolerância política que permeia o Brasil atual e nos mostra, da pior forma possível, como é viver na barbárie”. “Devemos todos, especialmente os líderes políticos, lutar para combater este ódio, que vai contra os princípios básicos da vida em família, em sociedade e em uma democracia.”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes se manifestou, pelo Twitter. Na postagem, declara que “a intolerância, a violência e o ódio são inimigos da Democracia e do desenvolvimento do Brasil. O respeito à livre escolha de cada um dos mais de 150 milhões de eleitores é sagrado e deve ser defendido por todas as autoridades no âmbito dos Três Poderes”.

Presidente Bolsonaro repudia qualquer tipo de violência

O presidente Jair Bolsonaro (PL) declarou, na noite de ontem, em sua conta no Twitter, que dispensa “qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores”, referindo-se ao caso do apoiador bolsonarista dele que atirou e matou um guarda municipal e militante petista em Foz do Iguaçu (PR), no sábado.

“A esse tipo de gente peço que, por coerência, mude de lado e apoie a esquerda, que acumula um histórico inegável de episódios violentos”, continuou na mesma linha, sem citar nomes.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil de Foz, o agente penitenciário Jorge José Guaranho invadiu o aniversário de Marcelo Arruda gritando “Aqui é Bolsonaro!”. A festa tinha como tema uma homenagem ao ex-presidente Lula.

Bolsonaro prosseguiu, na publicação, acusando “o lado de lá” de dar facada, destruir patrimônio, proteger terroristas e desumanizar pessoas com rótulos.

“Falar que não são esses e muitos outros atos violentos, mas frases descontextualizadas que incentivam a violência, é atentar contra a inteligência das pessoas. Nem a pior nem a mais mal utilizada força de expressão será mais grave do que fatos concretos e recorrentes”, escreveu.

O presidente terminou dizendo esperar que as “autoridades apurem seriamente o ocorrido e tomem todas as providências cabíveis, assim como contra caluniadores que agem como urubus que tentam lhe prejudicar 24 hora por dia”.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui