Cerca de 48% dos idosos do DF têm problema de visão, segundo dados do ObservaDF

Problema é maior entre idosos de regiões de baixa renda e gera impacto

na qualidade de vida dessa população

Cerca de 48,4% da população idosa do Distrito Federal tem problema de visão, é o que revela a pesquisa “Percepção dos idosos sobre viver no Distrito Federal”, estudo realizado pelo Observatório de Políticas Públicas do Distrito Federal (ObservaDF), projeto vinculado à Universidade de Brasília (UnB), sobre a qualidade de vida dos idosos. Os dados da pesquisa também mostram que, os idosos que moram em regiões de baixa renda, são os que têm maior dificuldade para enxergar.

O estudo do ObservaDF avaliou a situação do idoso no Distrito Federal, por meio de um questionário, com cerca de 900 pessoas, com idade superior a 60 anos. Os participantes consultados na pesquisa, incluiu moradores de todas as regiões administrativas do DF. O objetivo do estudo é conhecer as percepções dos idosos sobre o viver nesse território, e sobre o acesso e a qualidade de serviços públicos voltados à essa população.

Segundo a professora e pesquisadora da UnB, Andrea Felipe Cabello, um dos pontos que se destaca na pesquisa, é a desigualdade no âmbito da saúde. “Nos chamou bastante atenção algumas disparidades em relação à saúde. Em um relatório anterior, já havíamos enfatizado que, o acesso à saúde no Distrito Federal, não é igualmente distribuído entre todas as regiões administrativas, principalmente aquelas pessoas que moram em regiões administrativas de mais baixa renda, têm acesso a serviços de pior qualidade. E isso não é diferente com os dados desse questionário”, relata.

Uma das questões mencionadas sobre saúde, e que deixam explícitas as diferenças sociais, é o problema de visão, conta Cabello. “Muitos deles relataram dificuldade de enxergar, mas os que mais relatam essa dificuldade, moram em regiões de baixa renda, o que pode estar relacionado com a qualidade do serviço prestado”, declara.

A médica oftalmologista do CBV- Hospital de Olhos Maria Regina Chalita informa que a prevalência da deficiência visual na população idosa é grande e, entre as principais causas de baixa visão no idoso, estão doenças como o glaucoma, a retinopatia diabética e a degeneração macular relacionada à idade, sendo todas elas irreversíveis. Chalita destaca que a baixa na visão tem repercussões importantes na capacidade funcional dos idosos e na sua autonomia. “Sabe-se que os idosos que enxergam melhor, sofrem menos quedas, cometem menos erros ao ingerir medicações, apresentam menor isolamento social e menos quadros depressivos, são mais independentes e têm melhor qualidade de vida”, afirma.

A oftalmologista ressalta a importância do acompanhamento médico da população idosa para obter um diagnóstico precoce de doenças. “As doenças que causam perda da visão irreversível, como o glaucoma e a retinopatia diabética, têm controle, se diagnosticadas precocemente e se iniciado tratamento adequado com acompanhamento por um médico oftalmologista. Como causa de baixa de acuidade visual reversível no idoso, temos a catarata, a qual permite a recuperação da visão após seu tratamento cirúrgico. Nos casos de perda visual irreversível, a reabilitação visual tem papel importante na qualidade de vida desta população”, esclarece.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui