Após AMARELAR Lula diz que Presidente Jair Bolsonaro é “fariseu” e tentou se aproveitou da fé da população

O ex-presidente Lula participou nesta quinta-feira (29/4) de evento da Rede Sustentabilidade. Legenda anunciou, oficialmente, o apoio à pré-candidatura do petista

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, nesta quinta-feira (28/4), que o presidente Jair Bolsonaro (PL) é “mentiroso” e um “fariseu” que usa o nome de Deus em vão. A fala foi dada em evento da Rede Sustentabilidade no qual a legenda anunciou oficialmente o apoio à pré-candidatura do petista.

É a segunda fala de Lula voltada aos religiosos esta semana. Em coletiva dada para youtubers e jornalistas na última terça (13), o candidato afirmou que Bolsonaro “não acredita em Deus” e destacou que os evangélicos nunca foram tão respeitados quanto em seus governos.

“Porque ele [Bolsonaro] é uma pessoa que mente todo santo dia. Ele mente, inclusive, usando o nome de Deus em vão. Ele é um fariseu, que se utiliza da boa fé de milhões e milhões de brasileiros evangélicos e católicos que votaram nele também”, disse Lula hoje

Golpe no fascismo

Em seu discurso, o ex-presidente se recusou a falar o nome de Bolsonaro. Para Lula, a eleição do presidente em 2018 veio de um movimento de negação da política, e disse que o mesmo aconteceu nas eleições de Jânio Quadros, em 1960, e Fernando Collor em 1989.

“Uma figura que levanta todo santo dia para conter no mínimo sete mentiras. Vai ter um golpe neste país. No dia 2 de outubro, o povo brasileiro vai dar um golpe no fascismo”, afirmou.

O ex-presidente participou de evento da Rede Sustentabilidade com o mote “Rede com Lula”, nesta quinta. No evento, o partido declarou oficialmente seu apoio ao petista, sendo a primeira sigla de fora da federação com o PT a fazê-lo.

Federação

Além de Lula, o partido liberou o apoio ao presidenciável pelo PDT, Ciro Gomes, em resolução sobre o processo eleitoral divulgado ontem. No documento, a Rede registra decisão de formar Federação Partidária com o PSol, e que o foco dos dois partidos será formar chapas a deputados federais para superar a cláusula de barreira e garantir presença forte no Congresso.

Por sua vez, o PSol definirá o apoio a Lula neste sábado (30), em convenção eleitoral realizada em São Paulo. O apoio será votado, mas a decisão é dada como certa.

Lula está em Brasília desde ontem para participar do evento da Rede e também da abertura de Congresso Constituinte da Autorreforma do PSB, na noite de hoje. Seu vice, Geraldo Alckmin, é filiado à legenda.

“A Rede Sustentabilidade está tomando um passo de muita coragem e ousadia”, afirmou o porta-voz nacional do partido, Wesley Diógenes. Para ele, Bolsonaro “precisa ser derrotado no primeiro turno. A gente entende que sua candidatura (de Lula) é uma candidatura que reúne as forças democráticas, as melhores condições para derrotar esse genocida que está na Presidência da República”.

Plano de governo

O partido entregou a Lula documento com propostas para o plano de governo do ex-presidente. Pedro Ivo, um dos principais porta-vozes da Rede, ressaltou que a aliança com o PT é programática, e o objetivo é uma vitória no primeiro turno. “O Brasil não é a França, que tem um segundo turno civilizado”, afirmou.

Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendeu que a aliança é incondicional, não apenas das propostas entregues pela legenda. “Estamos sendo o primeiro partido fora da federação com o PT a anunciar que apoiamos incondicionalmente a sua candidatura”, afirmou, dirigindo-se a Lula.

A presidente do PT e deputada federal Gleisi Hoffmann reforçou que o projeto entregue pela Rede é muito importante “para derrotar Bolsonaro”. E disse ainda que o atual presidente sabe que vai perder as eleições, e que, por isso, ataca as instituições. “Quem tem 60% de rejeição não ganha”, comentou.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui