A evolução silenciosa do colesterol ruim na infância

 

Especialista alerta sobre a importância de melhorar hábitos, checar histórico familiar e fazer exames frequentemente em crianças

 

Brasília, 5 de agosto de 2022 – Mal bem conhecido pelos adultos, o colesterol alto é uma doença que ocorre quando o corpo produz gordura em excesso, aumentando o risco de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Embora o excesso dele seja perigoso, o colesterol é um composto gorduroso utilizado para a produção das membranas celulares e de alguns hormônios, natural e essencial para o bom funcionamento do organismo.

Há alguns anos, crianças não eram vistas como um público atingido por essa condição, mas em decorrência da mudança drástica do estilo de vida e alimentação, muitas delas tendem a desenvolver uma independência alimentar na fase dos três anos de idade, com a ingestão de processados e ultraprocessados, biscoitos, bolos, frituras e refrigerantes, os maiores vilões do desenvolvimento de um organismo infantil saudável.

Entretanto, o colesterol alto não apresenta sintomas em si, por ser uma doença silenciosa, ele costuma aparecer com em sinais apresentados por doenças mais graves, como a diabetes tipo mellitus, cada vez mais presentes na faixa etária pediátrica. No entanto, para o pediatra Henrique Gomes, o colesterol pode não ser ligado somente aos hábitos alimentícios. Fatores genéticos também podem interferir na produção dessas substâncias no corpo. Por isso que, em alguns casos, dietas e mudanças alimentares têm efeito limitado em alguns organismos, necessitando de tratamento por medicamentos e de acompanhamento feito por um gastropediatra.

Prevenção

 

Em crianças que não possuem fatores hereditários, as melhores formas de prevenção se dão com a melhoria da alimentação, prática de exercícios físicos e acompanhamento médico, explica Henrique. “Como o colesterol alto pode vir hereditariamente, é importante que a pré-disposição seja detectada logo. Um simples exame de sangue pode nos alertar sobre alterações”, afirma o especialista em Gastropediatria.

De todo modo, o colesterol não precisa ser descoberto para ser tratado e sim prevenido. Confira a lista alimentos mais prejudiciais ao desenvolvimento do organismo das crianças e os alimentos que mais combatem esse mal:

Alimento que aumentam

 o colesterol alto

Alimentos que combatem

o colesterol alto

Carboidratos simples: açúcar, sorvetes, chocolates, farinha refinada

Carboidratos complexos: alimentos integrais, sementes, batata doce, inhame, macaxeira, aveia. Aveia

Frituras

(Pastel, batata frita, salgadinho…)

 

Aveia

 Carne gordurosas

(Bacon, costelinha)

Grão de bico

Embutidos

(Salsichas, linguiças, presuntos)

Lentilha

Derivados do leite

(queijos amarelos, doces de uma forma geral)

Leite semidesnatado

Refrigerantes

Refeições preparadas com azeite de oliva

Sobre o Dr. Henrique Gomes – Médico pediatra da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal desde 2008, Henrique é pós-graduado em Lato Sensu em Doenças Funcionais e Manometria do Aparelho Digestivo no Hospital Israelita Albert Einstein. Residência médica em pediatria pelo HMIB (2006 e 2007), além de atuação na área de Gastropediatria pelo HBDF (2008 e 2009), o profissional atua na área de Gastroenterologia Pediátrica, especialidade que auxilia o pediatra na assistência de crianças e adolescentes portadoras de sintomas relacionados ao aparelho digestivo, como náuseas, vômitos, diarreias, alergias aos alimentos, dores abdominais, constipação intestinal, entre outros.

Atualmente é médico pediatra da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal desde 2008; médico pediatra do Grupo Santa (Hospital Santa Lúcia Sul e Taguatinga) e médico pediatra das clínicas PedCare e Le Petit.

Acompanhe o profissional no Instagram: https://www.instagram.com/meumedicopediatra/ 

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui