Nenhum poema brota de uma terra desperdiçada | Conversa com Gê Orthof e Graça Ramos | Referência Galeria de Arte

Como parte da mostra “Nenhum poema brota de uma terra desperdiçada“, de Gê Orthof, no dia 11 de junho, sábado, das 11h às 12h, acontece uma Conversa entre o artista e a curadora independente e pesquisadora Graça Ramos. Entre os temas que serão abordados, os poemas e a estética que regem as demais obras que formam a exposição. Com entrada gratuita e livre para todos os públicos, a Conversa acontece na Referência Galeria de Arte que fica na 202 Norte Bloco B Loja 11, Subsolo, Brasília – DF. Telefone (61) 3963-3501 e Wpp (55 61) 98162-3111.

A exposição “Nenhum poema brota de uma terra desperdiçada” é composta de três grandes dioramas, trinta placas-poemas de autoria do artista e gravadas em baixo relevo em lâminas de alumínio, doze aquarelas com o “Alfabeto Germinal” e um objeto valise. “Os trabalhos apresentam tudo o que envolve o momento social e político em que vivemos. O Alfabeto deve ser novo para criar outra realidade: A esperança”, afirma o artista. Com curadoria de Marília Panitz, a mostra fica em cartaz na Referência até o dia 9 de julho, com visitação de segunda a sexta, das 10h às 19h, e sábado, das 10h às 15h.

Graça Ramos é jornalista e mestre em Literatura formada na Universidade de Brasília. Tem doutorado em História da Arte pela Universidade de Barcelona, com ênfase no contemporâneo. Pesquisadora e curadora independente, se dedica, em especial, a investigar artistas e temas relacionados a Brasília.

Gê Orthof é artista e professor no Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília, onde coordena o grupo de pesquisa Da condição anfíbia: a-método-artifício no PPGAV/UnB. Nasceu às 23h30 no frio e na neblina das montanhas, onde sua avó Gertrud o ensinou a conversar em silêncio. Antes, porém, nasceu em 1836 na Dinamarca pelas mãos de Hans Christian Andersen. Algum tempo depois construiu com Thoreau sua primeira cabana, foi ali que conheceu o poliamor quando Rimbaud sussurrou em seu ouvido: “eu é um outro”. Entre uma página e outra realizou Doutorado em Artes Visuais na Columbia University- NYC e Pós-Doc no Museum of Fine Arts – Boston e na Penn State School of Visual Arts- PA. Atualmente finaliza um livro de poesias e imagens a ser publicado pela Ventania Editorial- RJ. Em 2021 participou, como artista convidado, da Residência Artística Torus em Garibaldi (RS).

Artista Selecionado Prêmio PIPA – 2019 e 2010. Artista vencedor do Prêmio CNI – Marcantonio Vilaça, São Paulo, 2015 e Best Group Exhibition of the Year, Hyperallergic Art Magazine, NY, 2017, entre outros. Exposições recentes: “Viberations”, Illges Gallery of Columbus State University, 2020. “Mata!Mata”, Canberra Contemporary Art Space, Australia, 2019. “Una posmodernidad periférica”, Fundación Federico Jorge Klemm, Buenos Aires, 2019. “Buraco”, Luciana Caravello Arte Contemporânea, Rio de Janeiro – 2019.

Serviço:

Conversa sobre a mostra “Nenhum poema brota de uma terra desperdiçada”, de Gê Orthof

Com | Gê Orthof e Graça Ramos

Quando | 11 de junho, sábado, das 11h às 12h

Entrada | Gratuita

Classificação indicativa | Livre para todos os públicos

Onde | Referência Galeria de Arte

Endereço | C 202  11 – Subsolo

                     Asa Norte – Brasília DF

Telefone | (+55 61) 39

Wpp | (+55 61) 98

E-mail |

Facebook | @ref

Instagram | @re

Nenhum poema brota de uma terra desperdiçada

Mostra individual | Gê Orthof

Dioramas, aquarelas e poemas gravados em placas de metal

Curadoria e expografia | Marília Panitz

Visitação | Até 9 de julho

                    De segunda a sexta, das 10h às 19h

                    Sábado, das 10h às 15h

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui