O Desenvolvimento de agroindústria é tema de encontro de produtores rurais

Evento segue até sexta (10), no auditório da Embrapa Cenargen. Mais de 200 pessoas se inscreveram para participar de capacitações e debates

Mais desenvolvimento e oportunidades para o setor rural do Distrito Federal. Este é o objetivo do III Encontro Distrital da Agroindústria, promovido pela Secretaria da Agricultura (Seagri) nesta semana. Desta quarta-feira (8) até sexta (10), mais de 200 pessoas participam de 12 palestras e debates que incentivam a formalização dos produtores, novas parcerias e investimentos, além do aperfeiçoamento profissional do setor.

“Tudo o que se produz em Brasília se vende. Temos linhas de crédito, planos de desenvolvimento rural para financiar esses empreendimentos. Queremos mais indústrias em Brasília e temos mercado para isso”Cândido Teles de Araújo, secretário de Agricultura

“É um momento de trocar informações sobre como fazer uma agroindústria. Tudo o que se produz em Brasília se vende. Temos linhas de crédito, planos de desenvolvimento rural para financiar esses empreendimentos. Queremos mais indústrias em Brasília e temos mercado para isso”, alega o secretário de Agricultura, Cândido Teles de Araújo. Atualmente, há cerca de 130 agroindústrias cadastradas no DF: 80 que desenvolvem produtos de origem animal e 50 que criam bebidas.

Sede da terceira edição do encontro, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen) desenvolve pesquisas que podem inovar o setor rural e alavancar números comerciais e de produção.

Para a chefe-geral da Embrapa Cenargen, Maria Cleira Inglis, esse conhecimento precisa ser divulgado. “A inovação chega ao mercado por meio dos produtores, e o DF tem muito espaço para crescer e se desenvolver”, afirma.

Por sua vez, a diretora-executiva da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), Loiselene Trindade, pontua que o desenvolvimento de agroindústrias é um caminho para geração de renda, ocupação e prosperidade no campo. “Quando caminhamos juntos, criamos um alimento seguro e diferenciado, mas, principalmente, competitivo”, diz.

Em 2021, a Emater elaborou 162 rótulos de produtos variados para 34 beneficiários, conforme as legislações vigentes, orientou 1.611 produtores sobre agroindústria e 772 sobre práticas de fabricação, bem como entregou 49 projetos de instalações rurais.

Secretário de Agricultura, Cândido Teles: “Momento de trocar informações sobre como fazer uma agroindústria”

Apoio

O Encontro Distrital da Agroindústria ocorreu em 2018 e 2019, de forma presencial, e foi interrompido nos dois anos seguintes, devido à pandemia do novo coronavírus. Para a presidente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-DF), Kelly Cristina Nascimento, o retorno do evento é uma forma de contribuir com a retomada econômica local.

“Esse movimento busca mobilizar entidades e descobrir em que sentido podemos contribuir mais com a economia do país, descobrir os gargalos da atividade da agroindústria para resolvê-los”, defende.

A diretora-técnica do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Rose Rainha, acrescenta que as “entidades representantes do setor estão dando as mãos para os agroprodutores, para valorizar os negócios e incentivar melhorias”. O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do DF (Fape-DF), Rogério Tokarski, completa que o foco maior é “o fortalecimento da pequena propriedade e do negócio familiar”.

Para o superintendente federal de Agricultura do DF, Ilton Ferreira Mendes, isso se justifica porque há um retorno palpável da população urbana para o meio rural. “Temos visto, com frequência, casos de pessoas que deixam profissões na cidade para se dedicar ao campo. Então, precisamos buscar por melhorias para garantir o trabalho dos novos e antigos produtores e a geração de renda. Faz parte da nossa obrigação”, afirma.

Imersão

A apicultora Mônica Bagno, 36 anos, é formada em gestão de recursos humanos e especializada em três áreas distintas da construção civil. Mas, foi na produção de cosméticos derivados do mel que encontrou a paixão profissional, em 2014.

Desde então, produz 80 kg de mel por safra, que se transformam em sabonetes íntimos, faciais e corporais, géis de massagem e lubrificantes, protetores labiais e cremes. “Tudo que aprendi foi por meio de cursos gratuitos. Minha produção não é alta, mas mesmo assim consigo fazer vários produtos e vender o ano inteiro. Hoje em dia não tenho nenhuma vontade de trocar de ramo, sou apaixonada pelo que faço”, conta Mônica.

A apicultora Mônica Bagno produz 80 kg de mel por safra, que se transformam em sabonetes, géis de massagem, protetores labiais e cremes

Presidente da Associação Apícola do DF, o apicultor Marco Faria reconhece a importância da formalização para o sucesso das produções. “Junto com a Emater, Senar, Sebrae e Seagri, conseguimos levar mais conhecimento técnico ao produtor, para que ele possa se desenvolver comercialmente e multiplicar o lucro”, diz.

“Por exemplo, se eu vender um litro de mel por R$ 50, meu lucro é esse. Mas, consigo usar o mesmo litro para produzir dezenas de sabonetes, vendidos por R$ 20 cada um. Esse conhecimento precisa ser difundido e é facilitado pela formalização”, explana Marco, produtor de mel há nove anos. Atualmente, há mais de 200 apicultores ativos na associação, que produzem quantidade superior a 20 toneladas do insumo por ano.

anuncio patrocinado
Anunciando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui