Doses da Janssen chegarão ao Brasil perto do prazo de vencimento

0

Cerca de 3 milhões de unidades do imunizante, aplicadas em dose única, estão previstas para chegar ao país este mês. Mas o prazo de validade se encerra em 27 de junho. Estados relatam dificuldades de logística

 

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira (8/6) que as doses da vacina contra a covid-19 da Janssen, que foram antecipadas pela pasta para chegarem ainda este mês no Brasil, virão perto do prazo de validade. Cerca de 3 milhões de imunizantes, que estão prestes a desembarcar no país, têm prazo de validade até 27 de junho, o que pode dificultar a logística de aplicação.

“É um prazo mais curto, e isso foi pactuado com Conass e Conasems. Entendemos que temos que fazer uma estratégia para aplicar essas 3 milhões de doses em um prazo muito rápido para não correr o risco de vencer vacinas”, disse, ao final do depoimento dado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19.

Queiroga, no entanto, não informou quando chegarão essas doses da vacina da Janssen, que, segundo ele, ainda dependem de uma liberação da agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos (FDA). “Ainda estamos dependendo do FDA, quando ele der o posicionamento, aí a vacina pode vir. Se tardar o posicionamento do FDA, essas 3 milhões de doses podem não ser mais úteis para nós, por causa da exiguidade de prazo”, ponderou o ministro.

A informação foi repassada aos secretários estaduais por meio de um comunicado. A preocupação é que haja tempo hábil para que a vacina seja aplicada nos brasileiros antes que esteja vencida. Para isso, os secretários de saúde do país estimam que precisam de pelo menos 10 dias a partir da chegada da vacina no país para conseguirem aplicar o imunizante na população brasileira.

Ou seja, a vacina precisaria chegar no país até o dia 17 de junho. “Teríamos que ter aí pelo menos 10 dias para não correr risco de perder a validade da vacina”, calculou o secretário-executivo do Conasems, Mauro Junqueira.

A vacina da Janssen, que se baseia na tecnologia de vetor viral não replicante, teve eficácia comprovada de 66% nos testes clínicos e é a única disponível até o momento que prevê apenas uma dose para imunização completa.

Antecipação

O ministro Marcelo Queiroga anunciou a antecipação da chegada das primeiras doses da vacina da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson, em entrevista ao CB.Poder, programa realizado pelo Jornal Correio Braziliense em parceria com a TV Brasília, realizada na última sexta-feira (4/6).

Segundo a previsão inicial do contrato firmado com a empresa, as primeiras unidades do imunizante só chegariam em julho ao país.

anuncio patrocinado