Aluno é alvo de operação da PCDF depois de colocar bomba em faculdade

0

Material para produção de explosivos artesanais foram encontrados na casa do investigado. Laudo da criminalística aponta que explosão de artefato encontrado no campus da Unip “teria efeitos análogos aos da dinamite”

 

 

Polícia Civil cumpriu, nesta quarta-feira (2/6), dois mandados de busca e apreensão em endereços associados a um estudante da Universidade Paulista (Unip). O homem é um dos investigados pela bomba colocada no banheiro masculino do prédio do curso de fisioterapia em abril.

O aluno foi encaminhado à Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), onde foi ouvido. As investigações apontaram que a bomba foi colocada no local por um estudante, que avisou os funcionários. O intuito seria impedir a realização de uma avaliação prática do curso.

Nas casas do rapaz, em Samambaia e Ceilândia, os agentes encontraram materiais metalúrgicos, do tipo metalon, usados normalmente para a produção de artefatos explosivos artesanais. O celular do investigado foi apreendido e vai passar por perícia.

Em 23 de abril, quando a bomba foi encontrada pela Polícia Militar (PMDF), a faculdade precisou ser evacuada para evitar que estudantes e funcionários ficassem feridos em uma possível detonação.

O objeto foi identificado com a ajuda de um robô que utilizou raio-X para acusar a presença de explosivos. Segundo a faculdade, havia pólvora dentro do artefato, que fi retirado do banheiro pouco antes de uma atividade coletiva de alunos do curso de fisioterapia.

O laudo do Instituto de Criminalística da PCDF constatou que a bomba tinha um pavio pirotécnico, que, em contato com a pólvora confinada, poderia explodir e espalhar estilhaços, o que representaria um risco às pessoas e ao edifício. “Dessa forma, a explosão teria efeitos análogos aos da dinamite”, descreve a polícia.

anuncio patrocinado