Tecnologia ajuda pessoas com apneia do sono

0

Equipamentos podem proporcionar boas noites de sono e qualidade de vida àqueles que sofrem com a síndrome

Imagine dormir e ao longo da noite produzir não só ruídos, mas ter interrupções respiratórias várias vezes. Pense nos efeitos disso para a mente, que não descansa, mas para todo o organismo, que chega a diminuir a oxigenação no sangue com as pausas de entrada de ar. Quem tem apneia do sono pode desenvolver sérios problemas de saúde, sendo fator de risco para muitas doenças que vai desde obesidade até mesmo surgimento de tumores.

Mas a tecnologia pode proporcionar maior conforto e saúde para quem sofre com o problema. A terapia de pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP, em inglês) consiste no uso de uma máscara ajustada confortavelmente, que veda o nariz ou o nariz e a boca simultaneamente.

Para a fonoaudióloga Milkhia Beatriz, da Microsom, especializada neste tipo de procedimento, o CPAP proporciona resultados imediatos. “A máscara é conectada a um aparelho que contém uma turbina eletrônica que fornece um fluxo de ar através de um circuito. Essa pressão fornecida impede que as vias aéreas se fechem durante o sono.”, explica.

A evolução tecnológica é tamanha a ponto destes aparelhos virem com sistema de Bluetooth que se conecta a um aplicativo de celular. “Com isso, o paciente é monitorado durante toda a noite, para saber o real estágio de sua apneia. Os dados podem ser enviados ao especialista para avaliação e indicação personalizada de outras terapias”, explica a fonoaudióloga.

Mesmo sendo um aparelho para uso doméstico, é preciso acompanhamento clínico. Também é preciso manutenções constantes para a correta higienização do CPAP. Para saber se é preciso procurar um especialista, pode conferir o teste neste link: http://www.microsom.com.br/testeapneia/

Apneia: sinais e sintomas

– Ronco

– Respiração ofegante

– Sensação de sufocamento ao dormir

– Sono agitado

– Sonolência ao longo do dia

– Dificuldade de concentração

– Dor de cabeça matinal

Fatores de risco

– Excesso de peso

– Maxilar inferior encurtado, o que empurra a língua muito para trás, tapando a garganta

– Tabagismo

– Álcool em excesso

– Uso exagerado ou equivocado de sedativos

– Aumento das amígdalas e adenóides

– Tumores

Sobre a Microsom

Referência em saúde auditiva, o grupo Microsom faz parte da história da cidade desde 2001. A clínica tem como objetivo trazer mais conforto aos pacientes com deficiência auditiva, oferecendo tecnologia de ponta. Na capital, a empresária Mariluce Cordeiro está à frente da direção geral coordenando as quatro unidades espalhadas pelo DF.

anuncio patrocinado