Casal é preso acusado de espancar e matar filha de apenas 1 ano no DF

0

Laudo apontou que bebê sofreu fraturas na costela e na perna. O pescoço também apresentava lesões

 

Investigadores da 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia Norte) prenderam um casal acusado de espancar, estrangular e matar uma criança de apenas 1 ano. A menina Yasmin Sophia Moura Boudoux da Silva morreu na tarde de 13 de fevereiro deste ano. Inicialmente, o óbito foi tratado como decorrente de queda do berço em que dormia, em uma residência localizada em Samambaia.

No entanto, o inquérito instaurado para apurar as circunstâncias da tragédia sofreu uma reviravolta quando o resultado do laudo cadavérico produzido pelo Instituto Médico Legal (IML) apontou que Yasmin havia sofrido várias lesões graves, como fraturas nas costelas e na perna.

A mãe da criança e o padrasto foram alvos de prisão temporária nessa terça-feira (4/5).

Além das fraturas, a criança tinha várias lesões no pescoço, que pode indicar sinais de estrangulamento. O que chamou a atenção dos investigadores foi o fato de o exame ter indicado que as lesões ocorreram em períodos distintos da curta vida da bebê, o que sugere sessões contínuas de espancamento e maus-tratos.

A PCDF não informou o nome dos presos, mas  apuramos que a mãe do bebê foi identificada como Cecília Raquel Boudoux da Silva, 23 anos. O padrasto não teve o nome confirmado pela reportagem.

Queda do berço

No dia em que Yasmin morreu, o padrasto foi a pessoa que acionou uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No momento, suspeito estava na companhia de outros dois filhos da mulher, uma menina de 5 anos e um menino de 2, frutos de relacionamentos anteriores. A mãe não estava em casa.

De acordo com o delegado-chefe da 26ª DP, Rodrigo Larizzartti, a prisão temporária de 30 dias do casal servirá para preencher as lacunas na investigação. “A apuração segue para determinar se o caso será tratado como homicídio ou maus-tratos com resultado morte. No entanto, com certeza, a criança sofreu uma série de agressões em momentos distintos antes de morrer”, explicou.

Os outros dois irmãos de Yasmin foram encaminhados para a Delegacia Especial de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) para serem ouvidos em um depoimento especial. As oitivas também serão importantes para finalizar a investigação.

 

anuncio patrocinado