Com auxílio de R$ 250, fome deve crescer no Brasil no 2º ano da covid

0

Preço dos alimentos aumentou Trabalho informal é mais afetado pobreza e pobreza extrema crescem

 

Rosinaldo Santos de Matos, 42 anos, mora em Paraisópolis, comunidade de favelas em São Paulo, com a mulher. O casal não consegue emprego desde o início da pandemia, em março de 2020. O auxílio emergencial, pago pelo governo, já não cai mais na conta. Agora, o medo da fome se tornou real.

Eu nunca consegui receber, mas a minha mulher recebia o auxílio emergencial. A gente conseguia se alimentar, comíamos até um pouco de carne. Agora, tenho 3 ovos na geladeira e mingau. Nada mais. Não sei como vai ser quando isso acabar”, diz Rosinaldo.

Essa realidade é a mesma de muitas famílias brasileiras, desde que os primeiros casos de covid-19 foram registrados no Brasil.

O governo federal liberou uma nova rodada do auxílio para cerca de 45 milhões de brasileiros. Mas o valor médio de R$ 250, que deve ser pago em 4 parcelas a partir de abril, compra apenas 56% da cesta básica na capital em que o valor dos alimentos é mais barato, segundo pesquisa (íntegra – 182 KB) do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Com isso e a piora da pandemia, que nesta 4ª feira (24.mar.2021) fez o Brasil atingir a marca de 300.685 mortos após seguidos recordes trágicos, a fome e a pobreza devem aumentar em 2021.

Além do valor menor da nova rodada do auxílio, a situação das famílias mais vulneráveis se agrava por causa da inflação. Em 2020, o custo de produtos alimentícios subiu 14%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em 2021, segundo Maria Andreia Lameiras, economista do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a inflação dos alimentos desacelerou, mas ainda deve apresentar alta nos preços. “Não há um consumo tão grande por parte das famílias, ainda assim, os alimentos estão aumentando de preço. Mas não é no mesmo ritmo e aumento registrado no ano passado”, afirma.

Com o poder de compra menor, as pessoas mais vulneráveis vão encontrar ainda mais dificuldades para se alimentar e pagar as contas, diz Daniel Duque, pesquisador da Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas). “A fome será maior do que no ano passado, ainda que menor do que em 2019, porque o auxílio, mesmo em valor reduzido, tem um impacto importante na extrema pobreza”.

Segundo estimativas de Duque, 22,6% da população brasileira estava em situação de pobreza em janeiro de 2021. Ou seja, 48 milhões de pessoas dos 213 milhões de habitantes, segundo a projeção do IBGE. O economista também afirma que 7,1% dos brasileiros estão em extrema pobreza, ou seja 15 milhões de brasileiros. Isso significa que existem 18 milhões de pessoas a mais em situação de vulnerabilidade do que as que vão receber a nova rodada do auxílio emergencial, segundo o governo.

O problema, dizem os pesquisadores, é que o auxílio emergencial deveria ser apenas um complemento da renda perdida na pandemia e não a única renda das famílias. Mas o desemprego continua em alta e, com o avanço da pandemia, a situação pode piorar.

Rosinaldo trabalhava como vendedor ambulante de açaí antes da covid-19 e com carreto de mudanças. Mas as duas atividades foram diretamente afetadas pela pandemia. “Pensei que já estaria trabalhando agora, mas tudo piorou e São Paulo teve que fechar tudo”, diz.

Duque afirma que essa é a situação de muitos brasileiros, em que o home office não é possível. “A natureza dessa crise econômica é atingir os mais vulneráveis. Porque normalmente eles trabalham em atividades que precisam de maior interação social”, explica o pesquisador.

Mesmo quando o auxílio era R$ 600 precisávamos de ajuda para completar a cesta básica. Imagina como vai ser agora. Mas eu trabalho na rua, se não tem como trabalhar, o auxílio vai para comida, aluguel e contas. E não dá para tudo”, afirma Rosinaldo.

DESEMPREGO

Para os trabalhadores que tinham mais estabilidade, o mercado de trabalho continua difícil. “A verdade é que o emprego não está reagindo com a rapidez desejada, como queríamos para 2021”, explica Lameiras. O desemprego em 2020 alcançou a maior taxa desde 2012.

Essa é a situação de Isabela Monique de Jesus, de 26 anos. Antes da pandemia ela trabalhava como recepcionista em uma clínica médica. Com o programa de redução de jornada, teve o salário cortado pela metade. Pouco depois, foi demitida.

Ela tentou receber o auxílio emergencial diversas vezes, mas ela e o marido tiveram o cadastro recusado pelo aplicativo. Com o marido também desempregado e duas filhas pequenas, Isabela quase foi despejada de casa em meio à crise de saúde.

Foi algo muito difícil para a gente, ainda mais com as nossas filhas. Depois que conseguimos pagar o aluguel, nos mudamos porque ficou insustentável lá”, diz. Agora, Isabela e sua família vivem em Paraisópolis.

Isabela conseguiu um trabalho temporário como atendente em uma barraca de lanches, mas já foi avisada de que não poderá continuar por causa do avanço da pandemia. O marido está em um trabalho temporário como corretor de imóveis, mas só ganha dinheiro se vender, o que tem sido difícil com a situação econômica do país.

Estamos com muitas contas atrasadas. Só conseguimos pagar metade do aluguel esse mês. E a pandemia desse jeito piorou nossa situação, porque achávamos que ia melhorar, mas só piora. Agora, a gente se alimenta com a ajuda das pessoas, que nos doam cestas básicas. Também pego marmitas na Associação [de Moradores de Paraisópolis], mas não é sempre que tem o suficiente para ajudar todo mundo que precisa”.

RESTRIÇÕES E COMÉRCIO

Outro impacto econômico da pandemia é a paralisação dos setores de comércio e serviços. Nas últimas semanas, muitos Estados adotaram medidas mais amplas para tentar diminuir a infecção pelo coronavírus. As medidas seguem as orientações sanitárias, mas muitos empresários são contra por causa dos efeitos nas vendas.

Marconi Lean, um comerciante de 58 anos de Brasília, é um desses empresários. Dono de uma loja de roupas femininas, ele reclama que os impostos e contas para os pequenos negócios continuam a chegar, mesmo com a cidade parada. “Os direitos dos funcionários estão todos assegurados pela lei, e o pequeno e médio empresário se vira, parece que a classe de donos de lojas não passa aperto”, diz.

Por causa disso, Marconi é contra o lockdown como medida de controle. Para ele, “a culpa do aumento de casos é dos botecos e boates” e não de todo o comércio.

Rosinaldo também quer voltar a trabalhar, seja com o açaí ou o carreto. Ele afirma que esse é seu maior desejo, mas também tem medo por sua saúde. “Eu gosto de trabalhar, sou feliz assim. Antes da pandemia, eu não tinha depressão. Agora tenho que tomar até remédio -quando tenho dinheiro para comprar”, diz.

Para o vendedor, a solução é a vacina. “Se tivesse campanha de vacinação em massa não seria assim. O presidente [Jair Bolsonaro] tem que parar de brincar com essa doença, com a nossa vida. Parar de brincar de ser presidente. As pessoas estão passando fome e ele não liga”.

anuncio patrocinado