Homem é preso em Uberlândia após incitar morte de Bolsonaro no Twitter

0

Presidente esteve na cidade na manhã desta quinta (4/3); na rede social, suspeito perguntou quem aceitaria virar ‘herói nacional’

 

Um homem de 24 anos foi preso em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, apontado como autor de ameaça de morte, em rede social, contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A prisão foi feita pela Polícia Militar (PM) e o caso foi encaminhado à Polícia Federal (PF). Os policiais agora investigam outras três pessoas que teriam postado mensagens de cunho ameaçador.

Bolsonaro teve uma rápida passagem por Uberlândia na manhã desta quinta-feira (4/3), quando ouviu um pedido de ajuda do prefeito, Odelmo Leão (PP). Por meio do Twitter, o homem identificado e preso havia dito na quarta (3/3): “Gente, Bolsonaro em Udia amanhã… Alguém fecha virar herói nacional?”. Em mensagem posterior ele ainda afirmou: “Atualização: o (governador Romeu) Zema estará também. Olha a oportunidade aí, meus amigos”.

Pelo menos outras três pessoas responderam com as seguintes mensagens: “Só preciso da arma”; “Bolsonaro se vier a Uberlândia voltará pra casa num caixão, não é ameaça é comunicado”; e “Bolsonaro em Uberlândia amanhã. Né possível que não tem um sniper nessa cidade. Aqui produz tanto maluco, um lúcido e armado, seria demais? Nunca te pedi nada @deus”.

De acordo com a PF, o serviço de inteligência da PM em Uberlândia identificou nas redes sociais as postagens “com propaganda e incitação a prática de crimes contra a integridade física e a vida do presidente da República Jair Messias Bolsonaro, com promessas de que tais ameaças se concretizariam durante a sua passagem”. O homem, então, foi detido no bairro Planalto, zona oeste de Uberlândia. Ele teve celular e documentos apreendidos.

Em depoimento, o suspeito, cuja identidade não foi revelada pela PF, disse que fazia humor e que não tinha conotação de ameaça, além de não conhecer as pessoas que haviam respondido à postagem. Ele ainda afirmou à PF que a prisão seria injusta pelo fato de ter feito uma piada e não uma ameaça concreta. Ele completou que não faz parte de qualquer movimento político ou estudantil.

A prisão foi ratificada pela Polícia Federal pelos crimes de processo violento ou ilegal para alteração da ordem política ou social e subversão da ordem política ou social. Se for condenado, o autor poderá pegar uma pena de dois a oito anos de reclusão.

anuncio patrocinado