Compulsão alimentar e ansiedade estão relacionadas; saiba como tentar controlá-las

0

Estudos indicam que compulsão alimentar e ansiedade estão intimamente ligadas, ou seja, andam lado a lado. Muitas das causas de compulsões por comida têm relação com a ansiedade.

 

Os chamados transtornos alimentares, que incluem anorexia e bulimia, além do transtorno compulsivo alimentar, reconhecido pela sigla TCA, afetam cerca de 5% da população brasileira, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

A compulsão alimentar é um dos mais comuns entre os transtornos relacionados à alimentação. Caracteriza-se pelo consumo compulsivo de comida, mesmo quando sem fome, seguido do sentimento de culpa. Por isso, ele está relacionado com a ansiedade, embora não sejam necessariamente a mesma coisa.

 

Mas, afinal, qual a diferença entre compulsão alimentar e ansiedade?

 

Como já descrito, a compulsão alimentar é o ato em si, o consumo de comida em excesso. A ansiedade é uma das causas. Quase 80% da origem do TCA são por condições psicológicas, que incluem ainda fobias, depressão, estresse, bipolaridade e até mesmo traumas emocionais, como morte, acidentes graves e bullying infantil devido ao peso.

 

A compulsão alimentar é reconhecida como um problema de saúde, com diagnóstico médico. Isto porque pode causar outros males, relacionados à alimentação, como obesidade e diabetes tipo 2. Por isso, neste artigo vamos apresentar algumas estratégias que podem ajudar no controle da ansiedade e da compulsão alimentar.

Alimentos que diminuem a ansiedade

Pessoas ansiosas encontram em alimentos – que geralmente não são dos melhores – uma forma de tentar reduzir a tensão e o estresse, facilitando o surgimento da compulsão alimentar. Por isso, listamos alguns bons alimentos e suplementos que diminuem a ansiedade, comprovados pela ciência.

Salmão (e outros peixes ricos em ômega 3)

Contém dois nutrientes essenciais para a saúde do cérebro, onde reside a ansiedade compulsiva por comida. A vitamina D – embora seja mais abundante na exposição ao sol ou suplementos de vitamina D3 – tem efeito positivo sobre os níveis de neurotransmissores calmantes. Mas são os ácidos graxos ômega-3, eicosapentaenóico (EPA) e docosahexaenóico (DHA), com melhores efeitos.

 

Isto porque estes ácidos também ajudam na regulação dos neurotransmissores dopamina e serotonina, que podem ter propriedades calmantes e relaxantes. Ainda têm efeito sobre células cerebrais que levam ao desenvolvimento da ansiedade. Um estudo com grupos de homens alimentados com salmão, frango ou porco mostrou melhores sintomas relacionados à ansiedade daqueles que consumiram o peixe.

Tome um bom suplemento de multinutrientes

O corpo necessita de vitaminas e minerais para funcionar e regular o seu metabolismo. A carência ou a quantidade abaixo do ideal destes elementos vitais pode enviar um sinal de necessidade de nutrientes que a pessoa acostumada com uma alimentação ruim pode “interpretar” como uma fome exagerada e vontade de alimentos que não nutrem de verdade, gerando um ciclo vicioso.

 

Por isso, nutrir profundamente o corpo é essencial. Um bom suplemento, com matéria-prima de qualidade, biodisponível e formulado com dosagens generosas, como o Alpha da Puravida, pode ser de grande valor.

Camomila

Esta erva muito utilizada no preparo de chás contém grandes quantidades de antioxidantes que comprovadamente reduzem inflamações, entre elas as cerebrais, relacionadas à ansiedade. Possui também compostos ativos com a capacidade de acalmar e relaxar.

 

Diferentes estudos associam a camomila com este benefício. Em um deles, pessoas com diagnóstico de transtorno de ansiedade que consumiram extrato de camomila tiveram menos sintomas em relação aos que não receberam o extrato.

Cúrcuma

Entre os alimentos que diminuem a ansiedade está também a cúrcuma, uma especiaria que contém curcumina, uma substância anti-inflamatória e antioxidante muito estudada por diferentes fatores. Entre eles a saúde cerebral, relacionada à ansiedade.

 

As poderosas propriedades antioxidantes e antiinflamatórias comprovadamente evitam danos às células cerebrais e ajudam na preservação e até mesmo na geração de novos neurônios. A curcumina ajuda a reduzir os marcadores inflamatórios, como as citocinas, que está associada ao desenvolvimento de ansiedade. Ainda, este composto, também segundo pesquisas, demonstrou melhorar os níveis de ômega-3 no cérebro.

Iogurte

Um bom iogurte pode ser um aliado no combate da compulsão alimentar e da ansiedade. Iogurtes contêm probióticos, bactérias saudáveis, que contribuem com a saúde digestiva e, consequentemente, cerebral. Estes probióticos ajudam a equilibrar a microbiota intestinal, que possui ligação direta com o sistema nervoso e nosso humor.

Chá verde

As folhas bem cultivadas têm alta concentração de L-teanina, um aminoácido estudado pelo efeito na redução da ansiedade, relacionada à compulsão alimentar. Um estudo identificou que pessoas que ingeriam a bebida tiveram diminuição dos níveis de cortisol, um hormônio do estresse ligado à ansiedade.

 

Ainda, este aminoácido presente no chá verde pode aumentar neurotransmissores ligados à satisfação, como a dopamina e a serotonina.

Como controlar a compulsão alimentar

Aprender maneiras de atenuar a compulsão por comida é um ótimo caminho para uma vida mais saudável. Isto porque as atitudes que fazem parte da estratégia de combate à compulsão alimentar podem trazer novos hábitos, que são também melhores para sua saúde, longevidade e beleza.

Escolha melhor os alimentos

Uma dieta variada, baseada em comida de verdade, com porções generosas de proteínas e gorduras saudáveis, folhas verdes e vegetais de baixo amido, fornece ao organismo o que ele precisa para estar saudável, ajudando no controle da ansiedade, compulsões alimentares e a saciar a fome.

 

Procure preparar as suas refeições do zero: cozinhar pode ser terapêutico. O contato com os aromas, cores, texturas e o foco necessário para o preparo pode funcionar como um tipo de meditação. Reduzir ao máximo ou eliminar comidas prontas – leia-se ultraprocessados – faz parte de uma vida mais saudável.

 

A maior parte dos nutrientes essenciais para o cérebro é mais fácil de encontrar em alimentos de origem animal, portanto se você é vegano ou vegetariano, busque a orientação de um bom profissional para tomar os suplementos necessários.

Pratique atividades físicas

O corpo foi projetado para se movimentar e se esforçar, a atividade física é indispensável para a saúde física e mental. Vai muito além da ajuda na perda de peso. Exercícios físicos, independentemente da intensidade,equilibram o sistema hormonal, geram endorfinas (moléculas que causam bem-estar) contribuem com a melhora do humor, da disposição e também diminuem a ansiedade.

Procure relaxar

Tirar uma parte do fim de semana só para você pode ajudar a aliviar o estresse. Ou mesmo reservar um momento depois de todos os compromissos, para se reconectar. Isto pode ajudar bastante em momentos em que é necessário o autocontrole. Nestes casos, pode ser de grande valia o uso de óleos essenciais em um aromatizador de ambiente. Procure por blends com esta finalidade, como o Relax, da Puravida.

Durma bem

Melhorar a qualidade do sono também é importante. A falta de sono está associada à alimentação irregular e, consequentemente, maior ingestão de alimentos açucarados ou de baixo teor nutricional. Se necessário, vá para cama mais cedo para tentar ter entre 7 e 8 horas de sono durante a noite.

anuncio patrocinado