Governo cria programa para assessorar micro e pequenas empresas

0
20

Visa atender 200 mil empresas Da indústria, comércio e serviços Executado pelo Sebrae e Senai

 

 

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta 3ª feira (18.fev.2020) decreto que cria o programa Brasil Mais, que pretende aumentar a eficiência das empresas dos setores da indústria, comércio e serviços e ampliar a produtividade e a competitividade do país. Eis a íntegra do decreto (7 KB)

O programa será coordenado pela Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia e gerido pela ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e executado pelo Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas).

De acordo com o Ministério da Economia, o Brasil Mais promoverá uma “jornada de transformação digital” a partir da apresentação de “metodologias e ferramentas voltadas à melhoria da capacidade de gestão e de produção, redução de desperdício, e aprimoramento de processos“.

O objetivo do governo é atender 200 mil micro, pequenos e médios empreendimentos da indústria, comércio e serviços até dezembro de 2022.

Diante da evidência de estagnação da produtividade brasileira nos últimos 30 anos, o governo federal buscou experiências internacionais e iniciativas de impacto para enfrentar o problema de maneira rápida e eficaz“, disse o secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, conforme material divulgado pela pasta à imprensa.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, avaliou que o programa “será a porta de entrada para disseminar melhorias gerenciais e inovações tecnológicas de modo a aumentar a participação dos pequenos negócios no PIB, de 27% para 40% na próxima década“.

“O programa estimulará o aumento dos investimentos necessários à tão desejada retomada do desenvolvimento econômico e social do país, viabilizando a geração de mais e melhores empregos para os brasileiros”, corroborou o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Braga de Andrade.

ETAPAS E CUSTOS

O Senai ficará responsável pelo atendimento de estabelecimentos de 11 a 499 funcionários que atendem a indústria. Promoverá a capacitação profissional e prestará consultorias às empresas.

O Sebrae, por sua vez, atenderá micro e pequenas empresas, prioritariamente, de comércio e serviços. A ideia é ajudar no aperfeiçoamento de práticas gerenciais por meio da orientação técnica e consultorias individuais. Poderão participar do programa micro e pequenas empresas com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões.

Os atendimentos durarão de 3 a 6 meses –tanto para os empresários que optarem pelo eixo do programa executado pelo Senai quanto aqueles que forem atendidos pelo Sebrae.

Na fase 1 do chamado “eixo de Melhores Práticas Produtivas” do Senai, as empresas pagarão taxa de R$ 2.400. Na fase seguinte, a da digitalização, as empresas deverão pagar taxa de R$ 6.000 –além de custos com sensores e sistema de monitoramento online.

Já para o “eixo de Melhores Práticas Gerenciais”, do Sebrae, os estabelecimentos atendidos precisarão pagar contrapartida de R$ 1.200.
Para participar do programa, as empresas devem se cadastrar por meio do portal gov.br/brasilmais, responder a 1 questionário para avaliar o grau de maturidade, de produtividade e de gestão.

Depois dessa etapa, a companhia será encaminhada para o atendimento assistido de 1 dos parceiros do Brasil Mais: Sebrae ou Senai.

anuncio patrocinado