Servidores preparam arrancada contra reforma administrativa

0
Brasília(DF), 24/08/2015 - Brasília - Esplanada dos Ministérios . Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O principal argumento do grupo é uma comparação com países da OCDE, que teriam mais funcionários públicos do que o Brasil

 

A frente parlamentar mista em defesa do serviço público divulgou estudo técnico nesta terça-feira (15/10/2019) contra a reforma administrativa.

Em 30 páginas, especialistas criticam a intenção do governo de fazer mudanças, por exemplo, na estabilidade do servidor público, remuneração e no modelo de contratação.

O deputado professor Israel Batista (PV-DF) lidera a iniciativa – que reúne 235 deputados e seis senadores. “Os servidores são os guardiões das políticas públicas de estado. Não se pode ser vulnerável aos ventos políticos eleitorais”, destacou.

O principal argumento do estudo é um comparativo da média de empregados no setor público com total da ocupação em países que compõem a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. A média na OCDE é de 21,3%. Já no Brasil, 12,1%.

O presidente do Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, ressaltou a necessidade de analisar o projeto da equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Temos todos uma responsabilidade imensa com esse debate que já está acontecendo”, avaliou.

Rudinei criticou o relatório do Banco Mundial, divulgado na última semana, que mostrava um cenário de melhores salários para trabalhadores do serviço público do que aquele do mercado privado. “Foi um relatório encomendado. O serviço público é fundamental para enfrentarmos a desigualdade que afeta o Brasil”, enfatizou.

Para o economista especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Paulo Kliass, a reforma impede que haja servidores com “competência, qualificação e uma remuneração razoável”. “O estado necessita de um grau de profissionalismo. Precisa ter gente competente para fazer o trabalho para a maioria da população”, defende.

Braúlio Santiago Cerqueira, um dos organizadores do estudo, é categórico na sua avaliação ao pontuar que a reforma administrativa desenhada pelo governo irá precarizar o emprego.

“Não se trata de resolver a precarização do serviço na iniciativa privada, mas precarizar o emprego onde quer que haja emprego”, conclui.

A deputada Erica Kokay (PT-DF) critica o que chama de “perseguição do serviço público”. “Não toque nos direitos dos servidores. O projeto que está sendo pensado não cabe o servidor. Elegeram como inimigo os servidores desse país”, ponderou.

Leandro Couto, presidente da Articulação de Carreiras Públicas para o Desenvolvimento Sustentável (Arca), disse que o servidor deve se preparar para combater a reforma. “Temos um serviço público preparado. Vamos enfrentar nos gabinetes e nas ruas”, adiantou.

anuncio patrocinado
Anunciando...