Brasileiro muda hábitos e busca alimentação mais saudável

0
9

Levantamento mostra que a maioria dos brasileiros afirma que se esforça para ter uma alimentação mais saudável 

No próximo dia 16 de outubro comemora-se o Dia Mundial da Alimentação. Levantamento feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aponta que oito em cada dez brasileiros afirmam que se esforçam para ter uma alimentação saudável. Já 71% dos entrevistados apontam que preferem produtos mais saudáveis, mesmo tendo que pagar um pouco mais caros por eles. Pesquisas do Ministério da Saúde mostram também que o hábito alimentar do brasileiro vem mudando nos últimos anos. O mercado de alimentação saudável cresceu quase 100% no país entre 2009 e 2014, e em 2015 movimentou mais de US$ 27 bilhões, o que coloca o Brasil no quinto lugar no ranking de vendas de produtos alimentícios saudáveis para o consumo.

Assim como tem crescido o número de pessoas preocupadas com a qualidade da alimentação, aumentou também o número de restaurantes empenhados em servir pratos mais saudáveis aos clientes. De um lado franquias do segmento de alimentação saudável se estabelecem e se expandem em grande velocidade, do outro, redes de fast food investem para se adaptar às novas tendências de consumo.

Para o nutricionista Daniel Novais, alimentar-se de forma saudável proporciona equilíbrio em nosso corpo. “A alimentação saudável traz um menor risco de sofrer infecções e inflamações, mantendo alto o nível de defesa e proteção. Investindo em alimentos, não precisamos investir futuramente em remédios”, alerta.
Daniel lista ainda alguns benefícios que a alimentação saudável oferece:
mantém o bom funcionamento do organismo, previne doenças, melhora a qualidade de vida, fornece mais energia ao corpo, aumenta a expectativa de vida, melhora a qualidade do sono e auxilia no controle do peso.

Mudanças nos últimos 10 anos

Ainda de acordo com o nutricionista, três mudanças alimentares foram mais significativas nos últimos dez anos.

– Menos refrigerantes e sucos artificiais: os refrigerantes e sucos artificiais vêm perdendo espaço na rotina dos brasileiros. Em 2007, uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde mostrou que 30,9% dos brasileiros tomavam essas bebidas em cinco ou mais dias da semana. Em 2016, esse índice caiu para 16,5%.

– Mais frutas e hortaliças: os brasileiros aumentaram um pouco o consumo de frutas e hortaliças (de 33% em 2008 para 35,2% em 2016). O resultado significa que apenas um em cada três adultos come frutas e hortaliças em cinco ou mais dias da semana.

– Menos feijão: O consumo de feijão está em clara queda desde de 2012. O número de brasileiros que comem feijão regularmente caiu de 67,5% em 2012 para 61,3% em 2016.

Origem da data

O Dia Mundial da Alimentação foi estabelecido em 1979 pelos países membros 20ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Estima-se que o número de habitantes do planeta vai ultrapassar os nove bilhões de pessoas em 2050 e que a produção mundial de alimentos vai ter de aumentar em 60% para conseguir atender às necessidades alimentares da população mundial. Por isso, neste dia realizam-se muitas atividades relacionadas com a nutrição e a alimentação, com a participação de cerca de 150 países. Entre os objetivos do Dia Mundial da Alimentação estão:

  • Alertar para a necessidade da produção alimentar e reforçar a necessidade de parcerias a vários níveis;
  • Alertar para a problemática da fome, pobreza e desnutrição no mundo;
  • Reforçar a cooperação económica e técnica entre países em desenvolvimento;
  • Promover a transferência de tecnologias para os países em desenvolvimento;
  • Encorajar a participação da população rural, na tomada de decisões que influenciem as suas condições de vida.