Iges dará consultoria em unidades de saúde do DF a partir de dezembro

0

O objetivo é aplicar às demais unidades o mesmo modelo de gestão de outros hospitais administradas pelo instituto

 

Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (Iges-DF) deve começar uma série de consultorias em unidades de saúde do DF, a partir de dezembro deste ano. O objetivo é aplicar às demais unidades o mesmo modelo de gestão utilizado hoje no Hospital de Base (IHBDF), no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), e também em seis UPAs, administradas pelo instituto.
O Iges vinha estudando junto ao Governo do Distrito Federal (GDF), estratégias que pudessem auxiliar o restante da saúde pública, e até mesmo assumir a administração de outros hospitais. Mas em recente entrevista ao CB.Poder, parceria do Correio e da TV Brasília, o governador Ibaneis Rocha (MDB) informou que ao invés de entregar mais unidades básicas de saúde ao instituto, o Iges seria responsável apenas pelas consultorias nos hospitais.

“Nós vamos começar escolhendo um deles, menor, e vamos cobrar índices, ver o que está faltando, se é medicamento, se é pessoal, e levar o modelo do Iges para dentro dos hospitais da rede pública sem interferir na gestão direta. Vai ter diretor, que vai ser público, vai ter o superintendente da regional, que vai ser público, mas nós vamos ter o acompanhamento dos índices de gestão e monitoramento pelo instituto. Não pode ser tudo privado. O que nós temos de criar é que modelos, então vamos pegar o que deu certo no Iges-DF e aplicar na rede pública”, explicou o governador.

Em entrevista ao Correio, o diretor-presidente do Iges, Francisco Araújo, também falou sobre a preservação do serviço público. “Caso assumamos, por exemplo, quatro hospitais, estaremos manejando uma média de 6 mil servidores concursados. Vamos usar a expertise do instituto e capacitar os servidores que estão nas unidades para aplicar o modelo de gestão do Iges”, completou.

Flexibilização

Questionado de que forma, então, o instituto seria capaz de reduzir as filas de espera nos demais hospitais, sem ter as prerrogativas do Iges, o diretor respondeu: “Comprovadamente, nós sabemos que, hoje, na saúde, a flexibilização dos processos gera um resultado mais rápido para a população. Então, nós pactuamos com o governo um tripé que acreditamos para a área: comunicação direta com a população, informatização da Secretaria de Saúde e expansão do modelo de gestão. O Hospital de Base, por exemplo, é 100% informatizado do ponto de vista de protocolo médico, de prontuário eletrônico, nós consolidamos um sistema em que o paciente tem um tempo-resposta maior que em qualquer outro lugar”.

Sobre a burocratização rede pública, o diretor acrescentou que o problema que emperra a secretaria é a burocracia, a forma como são feitos os processos. Tem licitação, por exemplo a de manutenção predial, que leva um ano para sair o processo. Aqui, no Iges, nós temos o regulamento de contratações, nossa equipe é mais rápida”.

Processo

Atualmente, o instituto trabalha com um efetivo de 7 mil funcionários, e a Secretaria de Saúde com 35 mil servidores públicos. As unidades que devem receber as consultorias, de no máximo de três meses, período dado pelo diretor-presidente como suficiente para aplicar o modelo de gestão, são: 16 hospitais públicos, um hospital universitário, e seis Unidades de Pronto Atendimento. De acordo com o gestor do Iges, ainda não há um levantamento exato de quanto esse serviço custará ao GDF, mas garante que como todo processo que passa pelo instituto, haverá garantia de transparência e controle efetivo dos investimentos.

A reportagem solicitou à Secretaria de Saúde um balanço dos dados de fila de espera para cirurgias, atendimento médico e realização de exames dos últimos dois anos, e também deste ano sob a gestão do instituto, mas até o fechamento desta matéria, não houve retorno.

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde (SindSaúde), informou, por meio de nota: “A forma de gerir a máquina pública é ato discricionário do Executivo e, nesse tema específico, importa ao sindicato que o serviço continue sendo público para garantir à sociedade os princípios constitucionais do SUS, com agentes públicos contratados por concurso e com a consequente valorização dos servidores, através de política de fortalecimento das carreiras e o incremento dos equipamentos de saúde”.

Recursos

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) apresentou à Câmara Legislativa do DF, nesta quarta-feira (25/9), um pacote de projetos com 15 metas estruturantes para serem executadas em 2019/2020. O objetivo é conseguir apoio parlamentar para o financiamento dos investimentos. As ações estão estimadas em aproximadamente R$ 80 milhões.

 

GDF: Hospital de Base é o modelo que outras unidades devem seguir(foto: Minervino Júnior/CB/DA.Press)
anuncio patrocinado
Anunciando...