Aplicativo para o produtor do campo foi apresentado na Festa do Morango

0
48

Sistema da ferramenta intitulada DF Rural foi produzido pela Emater-DF

 

Para facilitar a vida dos produtores do Distrito Federal, a Emater-DF criou um aplicativo que vai simplificar a vida no campo. A apresentação do aplicativo, intitulado “DF Rural”, está em curso na Festa do Morango de Brasília, que chega ao fim neste domingo em Brazlândia.

Funcionalidades como Cartão do Produtor Rural digital (e-CPR), Caderneta de Campo (que vai viabilizar a rastreabilidade do produto), informações sobre os preços do atacado de diversas culturas e um banco de empregos estarão à disposição do produtor.

Leia também:
Festa do Morango recomeça com exposição, shows e feira de flores

Na tela do celular, por meio do aplicativo, o cidadão da área rural também vai ter acesso à agenda de eventos da Emater, Secretaria de Agricultura e Ceasa. De forma simplificada estarão disponíveis na ferramenta ações como dia de campo, palestras, cursos, oficinas, festas, feiras e tudo o que envolver eventos voltados para o campo. Haverá ainda um ícone exclusivo para acesso às notícias publicadas nos sites dos três órgãos.

Técnico da Emater-DF apresenta aplicativo a produtores rurais | Foto: Divulgação / Emater-DF

De acordo com o gerente do projeto DF Rural, Alberto Gerardi, a diferença entre o aplicativo da Emater-DF e outros aplicativos é que o DF Rural tem o foco voltado para dentro da porteira. “Focamos na necessidade do produtor. É um aplicativo voltado para que o produtor rural cumpra as exigências da rastreabilidade, seja fácil de ser utilizado e que funcione mesmo sem acesso à internet”, ressaltou.

Alberto explicou que a ideia de funcionar offline é devido à dificuldade de algumas regiões com sinais de internet. No aplicativo, os registros poderão ser feitos sem necessidade de acesso à rede. No entanto, assim que o celular estiver conectado, o próprio aplicativo se encarrega de sincronizar os dados armazenados e salvar as informações. Todos os dados, desde que sincronizados, ficarão salvos no banco de dados da Emater-DF, que vai funcionar como um backup.

“Se ele tiver algum problema com o celular, não vai perder os dados, porque eles estarão salvos na nuvem. Será uma nuvem privada na Emater e que vai manter todo o sigilo das informações fornecidas”, acrescentou.

Ainda de acordo com o gerente, o acesso ao aplicativo será por meio do CPF do produtor e senha, que deve ser criada após a instalação do aplicativo no celular. O único requisito é que produtor esteja cadastrado na Emater-DF.

“Caderneta de Campo pode ser o principal instrumento de gestão da propriedade”, diz presidente da Emater, Denise Fonseca | Foto: Divulgação / Emater-DF

Segundo a presidente da Emater, Denise Fonseca, a função do aplicativo transcende à questão legal. “Vamos oferecer uma oportunidade de o produtor registrar a história do seu cultivo. Muito mais que atender à legislação da rastreabilidade, a Caderneta de Campo pode ser o principal instrumento de gestão da propriedade. Por meio da Caderneta de Campo, o produtor vai deixar tudo isso registrado no celular e efetivamente administrar o seu negócio”, afirmou.

Instalação e orientações

Durante a Festa do Morango, técnicos da Emater estiveram nos estandes da empresa explicando as funcionalidades do aplicativo, bem como seu manuseio, e auxiliando os agricultores que tiverem interesse em instalá-lo em seus smartphones. O aplicativo ainda está em fase de teste e, por enquanto, estará disponível apenas para celular com sistema operacional Android. Nos próximos meses, a versão iOS, para iPhone, também estará liberada.

Caderno de registros

A Caderneta de Campo é uma solução de fácil manuseio para o produtor rural atender a legislação da rastreabilidade dos produtos vegetais frescos. Dentro da caderneta o produtor vai poder inserir dados como a data de plantio, as aplicações de defensivos agrícolas, a colheita e também dados sobre a venda (valor, comprador etc).

Além das informações por escrito o produtor poderá anexar fotos, vídeos e também mensagens de áudios com informações sobre o cultivo.

Quando for feito o registro da colheita no aplicativo, o sistema irá gerar a identificação do lote e a etiqueta para identificação do produto. A etiqueta, conforme determina exigência de rastreabilidade, vai conter: cultura, variedade ou cultivar, identificação do lote, data da colheita, peso líquido e dados de identificação do produtor. Também terá o QR Code com todos os dados da etiqueta.

Produtor vai conseguir emitir etiqueta de rastreabilidade que deve acompanhar os produtos

Banco de empregos

Para registrar a oferta de vagas de trabalho em sua propriedade, o agricultor vai precisar apenas cadastrar tal necessidade pelo próprio aplicativo. As oportunidades de trabalho registradas serão enviadas para a Secretaria de Trabalho, que será responsável por conduzir o processo de preenchimento das vagas.

O Banco de Empregos, específico para área rural, também é um projeto da Emater-DF. A proposta, que ainda está em fase de implementação, além de criar o Banco de Empregos, vai oferecer cursos de qualificação voltados para as necessidades do campo.

No Banco de Empregos, agricultor vai preencher a oportunidade conforme sua necessidade

Preços da Ceasa

Por meio do aplicativo, o agricultor vai poder pesquisar como o preço de uma determinada cultura, como o morango, por exemplo, variou durante 12 meses. O dispositivo já vai conter informações sobre a sazonalidade dos produtos entre os anos de 2016 e 2019.

Aplicativo permitirá verificar variação de preços de culturas em períodos de 12 meses

Em breve, novas funcionalidades, que ainda estão em fase de testes, também serão disponibilizadas aos produtores. O Cartão do Produtor é uma das tecnologias do aplicativo que logo estará à disposição. Em maio deste ano uma parte do aplicativo foi apresentada, ainda em fase de testes, na AgroBrasília.

 

* Com informações da Emater-DF